quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Como se constrói um paradigma


Richard Jakubaszko
A construção de um paradigma (um padrão, ou referência), pode ter inúmeras causas, mas há uma explicação teórica (e prática) interessante em relação a certos comportamentos.
A história abaixo é eloquente por si só.
 
Um grupo de cientistas colocou cinco macacos em uma gaiola e, no meio desta, uma escada com bananas em cima.

Toda vez que um dos macacos começava a subir a escada, um dispositivo automático fazia jorrar água gelada sobre os demais macacos.

 
Passado certo tempo, toda vez que qualquer dos macacos esboçava um início de subida na escada, os demais o espancavam (evitando assim a água gelada).

Obviamente, após certo tempo, nenhum dos macacos se arriscava a subir a escada, apesar da tentação.

Os cientistas decidiram então substituir um dos macacos. A primeira coisa que o macaco novo fez foi tentar subir na escada. Imediatamente os demais começaram a espancá-lo.

Após várias surras o novo membro dessa comunidade aprendeu a não subir na escada, embora jamais soubesse por que.
Um segundo macaco foi substituído e ocorreu com ele o mesmo que com o primeiro. O primeiro macaco que havia sido substituído participou, juntamente com os demais, do espancamento.

Um terceiro macaco foi trocado e o mesmo (espancamento, etc.) foi repetido. Um quarto e o quinto macaco foram trocados, um de cada vez, com intervalos adequados, repetindo-se os espancamentos dos novatos quando de suas tentativas para subir na escada.

O que sobrou foi um grupo de cinco macacos que, embora nunca tenham recebido um chuveiro frio, continuavam a espancar todo macaco que tentasse subir na escada.
Se fosse possível conversar com os macacos e perguntar-lhes por que espancavam os que tentavam subir na escada... Aposto que a resposta seria:
“Eu não sei – essa é a forma como as coisas são feitas por aqui”.
Esse comportamento, essa resposta, não te parece familiar?

Não perca a oportunidade de compartilhar isto com outros, pois eles podem estar se perguntando por que continuamos a fazer o que fazemos se existe outra forma de fazê-lo.

Somente duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. E não estou seguro quanto ao primeiro.”
Albert Einstein. 
.

4 comentários:

  1. Richard,
    voce teria por favor a referencia disso, ou seja, que grupo de cientistas, onde? Quero conferir se eram macacos mesmo ou politicos...
    Obrigado
    Gerson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A referência que tenho é de que foi um grupo de cientistas de Israel, nada mais. Vale pela história, é verossímel.

      Excluir
  2. Richard
    a palestra abaixo pode ser de grande interesse para alguns leitores desta postagem... Dare to disagree.
    Gerson

    Margaret Heffernan: Dare to disagree
    http://www.ted.com/talks/margaret_heffernan_dare_to_disagree.html

    The former CEO of five businesses, Margaret Heffernan explores the all-too-human thought patterns -- like conflict avoidance and selective blindness -- that lead managers and organizations astray.

    Most people instinctively avoid conflict, but as Margaret Heffernan shows us, good disagreement is central to progress. She illustrates (sometimes counterintuitively) how the best partners aren’t echo chambers -- and how great research teams, relationships and businesses allow people to deeply disagree.

    ResponderExcluir
  3. Sr. Richard, volto a fazer um comentário hoje, muito interessante a explicação de como se constrói um PARADIGMA. Afirmo novamente que acompanho e valorizo o seu blog. o seu chará, Richard Dawkins em seus livros nos explica com detalhes os MEMES, que são espalhados aos quatro ventos, visando interesses diversos e que acabam sendo adotados e seguidos sem muita análise de razões objetivas a quem os adota no dia a dia. E porque sou um jovem ainda que estou aprendendo muito todos os dias e muito eu não sei ainda, terei que enviar este comentário na conta (ANONIMO) me desculpe, de outro modo eu não sei ainda. vou aprender com certeza.
    Sou bem jovem , nasci dia 10/12/1948, dia memorável em que a ONU adotou a carta dos direitos humanos como um padrão internacional a ser seguido. Meu nome : JORGE RUEDA GRIJO moro em Cacoal Ro, Ama-zônia legal. Assim deixo de ser tão anônimo.
    Saudações.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome e cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.