segunda-feira, 8 de outubro de 2012

12 de outubro – dia do engenheiro agrônomo, para reflexão


Mauricio Carvalho de Oliveira *

12 de outubro – dia do engenheiro agrônomo

Para reflexão:
O tema Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e seus congêneres atende mais a sanha de ambientalistas e poderá, facilmente, contribuir para engordar a burocracia do que concretizar-se em um instrumento eficaz para a preservação ambiental.
 

O agricultor está preocupado em buscar inovações e tecnologias para produzir com eficiência e competir em um mercado cada vez mais exigente. Precisam, antes de tudo, de segurança jurídica em seus negócios (regras claras e confiáveis), de crédito suficiente e ágil, de logística adequada às suas atividades, e não de mais uma promessa distante de apoio financeiro para que ele zele de seus ativos ambientais.

Enquanto na burocracia são engendradas as estruturas regulatórias para gerir os tais PSAs, os produtores estão envolvidos na aquisição de insumos para os novos ciclos de produção – investir em máquinas e equipamentos, na conservação de seu solo, na proteção dos recursos hídricos, no aperfeiçoamento da gestão de seu negócio e a sobrevivência do mesmo, seja para seus filhos ou netos, ou para quem se dispuser, de fato, a ser um produtor de alimentos.

Esse é um tema relevante para reflexão no meio agronômico. Será isso que a sociedade precisa? Mais um imposto para girar a máquina pública e mais um atropelo legislativo para o produtor rural? Em quais países esses modelos estão funcionando? São apenas alguns questionamentos que devem estar muito claramente entendidos antes de assentir com tais propostas.

O engenheiro agrônomo é o profissional que melhor compreende os valores e a ciência do uso da terra. Valores e conhecimentos esses que devem ser colocados em beneficio de uma vida melhor, sem mistificações ou sofismas e que resultem no real desenvolvimento socioeconômico. Ciência e tecnologia sim! Mais imposto? Reflita sobre isso.

* O autor é Engenheiro Agrônomo
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

.

2 comentários:

  1. Não precisa ser exatamente um novo imposto mas é necessário sim retribuir aos produtores rurais pela preservação de áreas que interessam a toda a sociedade.

    Afinal ele restringe o uso dos seus recursos para a prestação de serviços ambientais e os recursos deveriam ser arrecadados na conta de luz, de água e combustíveis de forma clara e destacada para que todos percebam o custo da preservação. Chega de imposição apenas aos produtores!

    Jose Francisco da Cunha

    ResponderExcluir
  2. Não precisa ser exatamente um novo imposto mas é necessário sim retribuir aos produtores rurais pela preservação de áreas que interessam a toda a sociedade.

    Afinal ele restringe o uso dos seus recursos para a prestação de serviços ambientais e os recursos deveriam ser arrecadados na conta de luz, de água e combustíveis de forma clara e destacada para que todos percebam o custo da preservação. Chega de imposição apenas aos produtores!

    Jose Francisco da Cunha

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.