sexta-feira, 29 de março de 2013

Continua lindo


Rogério Arioli Silva *

Apesar do orgulho que sinto em ter nascido no Rio Grande do Sul, na próxima encarnação (se vier a acontecer) tenho o indisfarçável desejo de nascer carioca. Aquele marzão no horizonte, sol à vontade, cerveja gelada, futevôlei, garotas de Ipanema, samba, carnaval, mulatas e aquele jeito despreocupado de se levar a vida. Ou ser levado por ela como diz o poeta. Definitivamente o Rio não parece Brasil. É muito melhor. Parece, talvez, o Brasil em férias.

Todos os grandes eventos são destinados para lá. Para lá se dirigem boa parte dos turistas com seus dólares, euros, ienes, pesos e outras tantas moedas dispostas a serem gastas nas belezas e atrações múltiplas que a cidade oferece. A gastronomia, a hotelaria, os eventos culturais como museus, teatros e shows disponíveis aos cariocas ou a quem os visita são incomuns em outros locais do país. Trata-se de realidade semelhante aos países mais desenvolvidos do mundo, embora ainda existam ilhas de exclusão. Graças a isso não é comum encontrarem-se cariocas fora do Rio de Janeiro. Sair pra que, se tudo de bom acontece por lá?

Fatos ocorridos recentemente confirmam como o Rio é diferente. Como exemplo evidencia-se a polêmica da divisão dos royalties do petróleo, na qual o estado tem se beneficiado amplamente nos últimos anos e nem pensa em abrir mão dos recursos amealhados. Dinheiro ganho é dinheiro gasto e, normalmente, esta ordem inverte-se quando se trata de despesa pública. Como diria um conhecido economista, o estado possui a mesma lógica dos bebês: engole muito de um lado e não tem nenhuma responsabilidade no outro. Resulta disso o desespero estampado pelo governador carioca, quando informado que sua fonte royaltiana deverá minguar com a nova divisão proposta pelo Congresso.

Semana passada, após a visita da Presidente Dilma ao Vaticano, o Papa Francisco confirmou sua vinda ao Brasil para participar da Jornada Mundial da Juventude que ocorrerá no mês de julho, onde mesmo? Logicamente na cidade maravilhosa, onde mais poderia ser? Ao Papa deve ser oferecida a prerrogativa de estar próximo do paraíso, no caso o Rio, do que adentrar-se pelo inferno interiorano que, por exemplo, tornou-se Cuiabá após as obras copamundescas. (nababescas=ostentatórias).

E o Rock in Rio então? O maior festival de música do mundo, que já foi até internacionalizado, começou naquela cidade e prepara-se este ano para sua 13ª edição sendo a quinta no Rio. Uma cidade do rock construída dentro de outra cidade, para receber os ícones mundiais da música, agradando seus fãs em meio a shoppings e todo o conforto oferecido nos seus 250 mil m2 disponíveis.  Coisas do Rio.
Também não é por acaso que o “maior show da terra”, o carnaval, seja celebrado no Rio de Janeiro. Luxo, beleza, dinheiro à vontade, gente bonita, famosa e, indispensavelmente, engajada nos padrões ambientalmente corretos da atualidade. Mas a parte ambiental deixe-se para o restante do país, o Rio não precisa preocupar-se com ela, a não ser, logicamente, como motivo carnavalesco.

Durante a tumultuada retirada dos indígenas do antigo Museu do Índio, localizado ao lado do estádio do Maracanã, que havia sido invadido por uma dúzia deles no ano de 2006, evidencia-se ainda mais a existência de dois brasis. Não houve nenhum acordo com os silvícolas e seus simpatizantes que foram expulsos a baionetas e gases de efeito moral, dando lugar ao novo projeto arquitetônico, em harmonia com o reformado estádio. No restante do Brasil são os produtores rurais que são expulsos a pontapés para assentarem-se indígenas que, usados pela Funai e ONGs associadas, são apresentados como museus humanos, fatos que rejeitam cada vez mais. Mas no Rio é diferente: saem os índios e assunto encerrado. No Brasil real pouco importa se produtores são jogados na beira de estradas e perdem suas terras sem direito à indenização.  Não interessa se a realidade mostra que índios já possuidores de milhões de hectares vivem na mesma penúria do que aqueles que não as possuem. No Rio é diferente. No Rio parece que as leis funcionam e que o respeito à propriedade resta preservado.

É por isso que se pode afirmar sem nenhum receio, assim como fez o compositor Gilberto Gil que: “O Rio de Janeiro continua lindo”. Aos outros brasileiros, entre eles os produtores rurais, despejados pela insana política indigenista, resta acalentar, guardado no fundo do peito, o desejo de, na próxima, nascerem cariocas.

* O autor é Engº Agrº e Produtor Rural no MT
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.