quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A cana em sinuca de bico

Richard Jakubaszko 
Saiu a Agro DBO de agosto 2013, edição nº 47, como sempre tem novidades.
Praticamente não há agricultor sem problemas, Brasil adentro. Nos grãos, recorde de produção, de 185 milhões de toneladas. Bom para o governo e para os consumidores, ruim para os agricultores. Conforme registrado na edição 47, os problemas de logística, no armazenamento deficiente e no transporte despropositadamente caro, continuam crônicos, agravados pelos problemas fitossanitários, que se tornam agudos pela disseminação da Helicoverpa armigera, uma praga nova que ainda não aprendemos a controlar. Tudo isso está registrado na matéria da jornalista Marianna Peres, “Milho a céu aberto”.

No café, os baixos preços já ameaçam derrubadas de cafezais. Na cana de açúcar, a agroindústria encontra-se metida em uma encrenca de difícil solução, conforme registrado na matéria de capa “Sinuca de bico” e ainda na entrevista do mês com a presidente da Unica, entidade máxima do setor sucroalcooleiro.

Entre o fim da safra 2012/13 e o início da próxima os insumos já mostram a tendência de aumento de preços. O pior de tudo está para vir: os preços de milho e soja começaram a cair diante das perspectivas de uma safra recorde nos EUA e por causa da ameaça maior, a de que a China mantenha reduzido crescimento econômico, e com isso não aumente compras.

No fechamento da edição, outras más notícias: uma frente fria fortíssima, com neve e geada negra, traz problemas até mesmo para as culturas de inverno, como trigo, canola e cevada, e devasta o café no Norte do Paraná, além de gerar problemas nos hortigranjeiros, cuja subida de preços deve mostrar as caras ainda este mês de agosto. Com isso, mais pressão inflacionária. Sazonal, é verdade, mas uma pressão sobre a qual o governo terá pouca coisa a fazer. Como vimos a frente fria foi passageira, que a normalidade seja retomada, para que se possa entrar na safra 2013/14 com esperanças positivas.
Conforme informamos na edição de julho da Agro DBO, a partir deste mês teremos apenas o sistema de assinatura paga para todos os leitores e assinantes. Para cada assinatura confirmada teremos a certeza de que estamos no caminho certo. Temos a convicção de que poderemos atender, de forma cada vez melhor, as necessidades de informação dos leitores através das páginas da Agro DBO, afinal, todos nós, em sintonia com o leitor, respiramos apenas agricultura, a única forma de se produzir alimentos para um mundo que continua a se expandir demograficamente.

Para ler a edição de agosto clique no link e folheie a revista virtualmente: www.agrodbo.com.br 

Abaixo, em vídeo, dou um depoimento sobre outras matérias da edição.
.

3 comentários:

  1. José Otávio M. Menten7 de agosto de 2013 21:32

    Richard,
    Muito bom...Parabéns!!
    Abs,
    José Otávio M. Menten
    Coordenador do Curso de Engª Agronômica
    Dep. de Fitopatologia e Nematologia
    LFN - ESALQ/USP

    ResponderExcluir
  2. Muito bom caro Richard...
    bela sinuca..
    abs
    Tejon

    ResponderExcluir
  3. Daniel Strutenskey de Macedo8 de agosto de 2013 21:26

    Caro Richard,
    Em 2007 o dólar estava em torno de 2,00. Com a inflação de lá até aqui, de 35% aprox., deveria estar em 2,70. Lembra quando o dólar despencou e todos diziam que o ideal seria 2,00 mas que o governo devia mantê-lo, no mínimo, em torno de 1,80? Será que todos se esqueceram disto? Qual a razão de fazerem campanha para que o dólar baixe? Na minha opinião, deveria subir para melhorar nossos preços lá fora e diminuir a oferta dos importados.

    Você tem razão quando bate nos sanderbergs da TV e especialistas de araque. Uma moeda vale o que ela é capaz de comprar. Este é o seu real valor. Uma comparação adequada deve levar em conta uma porção de segmentos e seus pesos relativos. Precisamos de uma cesta mundial que possa servir de parâmetro. É uma pesquisa complexa e cara, pois precisaria ser feita nos cem maiores centros comerciais do mundo e envolver três mil produtos pelo menos. Envolveria cerca de 5.000 pesquisadores em tempo integral e 1.000 especialistas. Custaria aproximadamente 40 milhões de dólares por mês. A economia global é grande o suficiente para pagar esta conta, mas nenhum instituto jamais se interessou (pelo menos que eu saiba). Ao invés disto se faz comparações com sanduiches e pizzas, comparando-se alhos com bugalhos, como se servisse para medir alguma coisa. Aqui em São Caetano, no melhor restaurante da cidade, come-se tão bem quanto no Dinhos dos Jardins e gasta-se 40,00 por cabeça. Pode-se almoçar no Mineiros um trivial de boa qualidade por 15,00. Isto é real, mas há imbecis que pagam 17,00 por um hamburger nojento.

    No domingo passado, a Folha apresentou dois gráficos. Um mostrava os valores gastos com seguro desemprego, que não considerava as importâncias em valor presente (não considerava a inflação). E outro mostrava a taxa de desemprego. O primeiro foi propositadamente feito errado para mostrar uma inclinação forte para o alto e assim demonstrar que está se gastando muito. Erros deste tipo são comuns e propositais. Curiosamente, ninguém contesta.
    Abraços, DANIEL

    RESPOSTA DO BLOGUEIRO:
    Daniel,
    É pertinente. A questão é que, se aumentar o dólar, a gasolina teria de subir o preço, e viabilizaria o etanol, que também subiria, e tudo isso traria inflação...
    abs
    Richard

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.