terça-feira, 5 de novembro de 2013

Purgante salino

Rogério Arioli Silva *   
A bula do produto ao lado mencionado o recomenda para constipações e repleção gastrointestinal nos bovinos, equinos, ovinos, caprinos, suínos e cães. O Google, atual “pai dos burros”, agora informatizados, ensina que constipação, intestinalmente falando, nada mais é do que prisão de ventre. Repleção gastrointestinal, por sua vez, é o conhecido empanzinamento ou timpanismo, ou ainda, uma distensão do rúmen bovino devido à incapacidade do animal expulsar os gases produzidos na fermentação dos alimentos. Feitas essas considerações veterinárias passo a defender, ardorosamente, a utilização desse produto para certo tipo de seres humanos.

Ao assistir na semana passada um programa televisivo onde foi promovido o debate sobre a situação do pré-sal, suas consequências e desdobramentos ao futuro do país, tive a certeza de que aqueles os quais ainda defendem o bônus político dessa descoberta devem ser tratados com o dito purgante. Explico: É oportunista e demagógica a postura marquetizada de que o Brasil será transformado a partir da descoberta do petróleo no pré-sal. Segue em curso uma discussão eleitoreira sobre a aplicação de lucros que, é bom que se diga, ainda são virtuais, para essa riqueza adormecida nas profundezas da costa brasileira.

O ufanismo sempre fez parte do ideário brasileiro. Passando pela brasilidade do Deus até o gigantismo pela própria natureza, nem sempre essa mania de grandeza trouxe bons frutos ao país. Ainda mais quando incentivada pelos próprios governos que, cada um a seu modo, pela mediocridade dos seus feitos, apelam para esse pseudo “destino manifesto” tropical. Nesse roteiro, comédia e drama se alternam e, como dependentes químicos, passamos da euforia à depressão como num passe de mágica, queimando neurônios que farão falta num futuro próximo.

O debate ao qual me refiro teve, de um lado, a abordagem técnica dos altos custos envolvidos na retirada do petróleo em águas profundas e, do outro, aquele viés nacionaloide que caracterizou (e ainda o faz) os governos populistas da América Latina. A palavra “estratégica” apareceu tantas vezes que já nem se conseguia mais diferenciar qual o seu verdadeiro significado: a representação de uma importância que transcende o aspecto econômico ou um conceito abstrato infame, travestido de inconfessável dividendo político.

Aos leigos, categoria na qual me incluo sem nenhum tipo de preconceito, pareceu que a riqueza do pré-sal pode ser maior ou menor dependendo de como se consolidarem, no futuro, as novas opções de energia pesquisadas atualmente. O gás de xisto norte-americano pode ser um divisor de águas importante, assim como a energia eólica, solar e nuclear para as quais a Europa está se voltando. Também o biodiesel e o etanol, embora dependentes da disponibilidade de extensões territoriais, por certo resultarão numa menor demanda por combustíveis fósseis. Ao saber que o petróleo a ser extraído no pré-sal somente terá viabilidade econômica com a cotação do barril acima de U$ 80,00 não existe ainda a garantia de grandes lucros a quem o explorar. Dependerá do barateamento das tecnologias geradas para sua extração a viabilidade do negócio. Daí o excesso de otimismo mostrar-se contraproducente.

Apesar da minha assumida laicidade (qualidade do que é leigo) aprendi que o timpanismo também ataca os seres humanos. O abdômen inchado nem sempre é sinal de sobrepeso, mas também pode ser característica de quem engole ar, além de outras coisas é claro. Nesse caso, para aqueles que não conseguem se livrar do excesso de arrogância e sempre vinculam fatos positivos a essa ou aquela vertente política, é perfeitamente indicado o purgante salino. O que não é nem um pouco recomendável, pelo bem da salubridade, é permanecer ao lado desses cujos, no momento em que o expurgo estomacal vier a consolidar-se.

De todo modo, em não havendo viabilidade econômica no petróleo de águas profundas, certamente haverá abundância de sal, o que, por si só, já é uma riqueza considerável. Talvez não seja suficiente para curar todas as mazelas brasileiras alçando-nos ao clube dos ricos como alguns querem fazer crer, mas certamente promoverá, na sua associação ao purgante, uma desobstrução intestinal fabulosa capaz de conferir leveza aos pensamentos arrogantes de muita gente.

* o autor é Engº Agrº e Produtor Rural no MT
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.