segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Ebola: mais uma pandemia lucrativa?

Richard Jakubaszko 
O ebola é uma “febre hemorrágica”, doença grave transmitida por um vírus e traduz-se por um quadro febril acompanhado de hemorragias e imunodepressão grave. A taxa de mortalidade é elevada, pode atingir os 90% e atualmente não existe qualquer tratamento. A transmissão é feita pelo contato com pessoas infectadas e não por via aérea.

Um tratamento milagroso

Após ter sido hospitalizado em Atlanta, nos Estados Unidos, o médico Kent Brantly saiu do hospital após poucas semanas, como um herói, curado e rodeado de um aparato midiático impressionante.

Declarou: “Deus salvou-me a vida”. Após agradecer à equipa médica e às milhares de pessoas que em todo o mundo rezaram para a sua cura, acrescentou: “Por favor, não deixem de rezar para os povos da África Ocidental”.


Para além das rezas, Kent Brantly terá recebido, no hospital, um tratamento experimental e passado poucas horas o seu estado clínico melhorou tanto que até foi visto a perambular no seu quarto.

Este “milagre” levanta algumas dúvidas: será que este médico estava realmente infectado ou tudo não passa de um show midiático, dada a cura inesperada e tão célere?

Será mais uma epidemia mundial com contornos lucrativos por parte do lobby farmacêutico?


Chegou a vez dos morcegos

O ebola é uma zoonose (doença transmitida do animal ao homem), outrora raras estão a tornar “moda”, já tivemos as vacas, os porcos, as aves e agora se fala que inicialmente o ebola poderá ter tido origem nos morcegos frutíferos que o teriam transmitido aos macacos e aos porcos.

O lobby farmacêutico sempre à espreita…

O novo medicamento, chamado Zmapp, foi desenvolvido pela companhia de biotecnologia Mapp Biopharmaceutical Inc. de São Diego, na Califórnia. Esta empresa trabalha em colaboração com a empresa canadense de biotecnologia Defyrus.

Este medicamento terá sido descoberto durante um programa financiado pelo Instituto Nacional de Saúde e a Agência de Redução das Ameaças de Defesa, ligada ao ministério da Defesa americano e especializado na luta contra ameaças químicas ou biológicas.


A empresa canadense, Tekmira Pharmaceuticals, também tem um contrato de US$ 140 milhões com o Departamento de Defesa americano para tentar encontrar um tratamento contra o ebola, e um protótipo já se encontra em fase de ensaios clínicos desde janeiro de 2014.

No dia seguinte ao repatriamento de Kent Brantly, a cotação da Tekmira subia 33% na bolsa de Nova Iorque. No dia 9 julho deste ano, a empresa Tekmira recebeu US$ 1,5 milhão da Monsanto, teoricamente para a investigação de produtos na área da agricultura. Esse valor poderá alcançar um total de US$ 86,2 milhões em função do sucesso do projeto.

Entretanto, a empresa japonesa Toyama Chemical, diz ter homologado em março um medicamento contra a gripe, composto por três anticorpos monoclonais, chamado de favipiravir e comercializado com o nome de Avigan, que poderá tratar o ebola.


A corrida aos milhões está lançada

– A malária mata mais de 3 milhões de pessoas por ano no mundo.
– A tuberculose mata mais de 2 milhões de pessoas por ano no mundo.
– As doenças diarreicas matam mais de 2,5 milhões de pessoas por ano no mundo.
– A Aids mata mais de 3 milhões de pessoas no mundo.
– A poluição do ar mata mais de 7 milhões de pessoas por ano no mundo.
– A doenças ligadas às condições de trabalho matam mais de 2 milhões de pessoas por ano no mundo.
– A fome mata mais de 3 milhões de pessoas por ano no mundo.

– Este surto de ebola matou ao todo 2 mil pessoas no mundo.


http://nouvelles3.com/nouvelles/ebola-le-fabricant-du-serum-grimpe-en-bourse

http://conscience-du-peuple.blogspot.pt/2014/08/ebola-une-arme-de-distraction-massive.html

http://www.nowtheendbegins.com/blog/?p=24084

http://www.abovetopsecret.com/forum/thread1025019/pg1


Reproduzido do blog Limpinho&Cheiroso: http://limpinhoecheiroso.com/2014/08/28/ebola-mais-uma-pandemia-lucrativa/
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.