quarta-feira, 11 de março de 2015

Agricultura Familiar

Richard Jakubaszko 
Equívocos centenários são cometidos tanto pela "esquerda" como pela "direita", no Brasil especialmente, na luta pela hegemonia política do poder. Como no amor, declamam os céticos, e na política, não há jogo limpo, vale qualquer estratégia.

A agricultura familiar nunca foi "alternativa" ao agronegócio, porque ela é o próprio agronegócio, constituído por mais de 150 mil produtores rurais no Brasil, que tocam seu negócio, a fazenda de lavoura ou de criação, com a família e meia dúzia de empregados, se tanto. No Brasil confunde-se o "agronegócio", de forma pejorativa, aos chamados produtores gigantes que são menos de 2 mil produtores rurais de grande porte (em áreas superiores a 5 mil hectares e de até acima de 100 mil hectares), nos quais se incluem cerca de 500 usinas de cana-de-açúcar.

Esses gigantes do agronegócio são conhecidos de todos, estão na mídia, como empreendedores, na política, são empresários, industriais, grupos financeiros, banqueiros, profissionais liberais, até mesmo figuras conhecidas do meio televisivo, e não representam, por suas posturas políticas e comerciais, o agronegócio como um todo.

No documentário abaixo, dirigido por Silvio Tendler, afirma-se, mais uma vez, que o Brasil contabiliza 4.367.902 estabelecimentos rurais. São dados do IBGE. Mas são um viés da pesquisa... O IBGE contabiliza como se fosse propriedade rural, em cálculos e projeções de minha autoria, cerca de 3,5 milhões de sítios e chácaras de lazer de fim de semana. São pedaços de terras improdutivas, de todos os tamanhos, mas estão registrados como propriedade rural para pagar ITR (Imposto Territorial Rural), muito mais barato do que IPTU. Somente algumas poucas e aprazíveis cidades (Ibiúna, São Roque, em SP, por exemplo), e próximas a grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro, conseguem desqualificar os sítios de lazer na área rural e enquadrá-los como urbanos, quando urbanizam as áreas do entorno como estradas vicinais, água/esgoto, luz elétrica, telefonia, coleta de lixo etc. Apenas um desses serviços acaba por levar o sítio para a condição de imóvel urbano, e ao IPTU.

As esquerdas, à frente o MST - Movimento dos Sem Terra, e agora a Contag, Confederação dos Trabalhadores da Agricultura, uma das patrocinadoras do documentário abaixo, atribui crendices populares e pintam um ar de "santidade" aos "agricultores familiares", e mostram apenas o pequeno produtor, de menos de 4 ou 5 hectares, por vezes com meio hectare, e o defendem pelo não uso de agrotóxicos, ou por não empregar sementes transgênicas, e que, talvez  justamente por causa disso não conseguem produzir excedentes para vender fora da porteira da fazenda.

Esses micro-produtores têm hoje políticas públicas aprovadas e em execução pelo Governo Federal, para dar apoio a eles, em termos de crédito agropecuário, mas falta-lhes ainda o maior apoio, o da assistência técnica do sistema Emater, desconstruído no governo Collor. Sem saber como melhorar a produção, através do aumento da produtividade, porque não usam tecnologias apropriadas, quebram em duas safras frustradas, ou, pior, quando os preços caem justamente porque houve uma supersafra, fator que é bom aos urbanos, mas ruim aos produtores, em especial os pequenos, que não têm como se defender do inimigo "mercado", aspecto que é mais perverso aos produtores do que as próprias pragas e doenças que atacam as lavouras e criações.

Vídeos como o que exibo abaixo, distorcem a realidade, apesar de bem intencionados, mesmo apresentando alguns exemplos bem sucedidos de trabalhadores rurais (que nunca foram produtores rurais). Distorcem, porque mostram uma visão urbana dos problemas, e politizam uma questão social que há décadas deixou de ser discutida nos países desenvolvidos, como a reforma agrária. A luta pela reforma agrária, evidentemente, não é fácil, mas poderia ter outros encaminhamentos políticos, muito mais inteligentes.

Em minha opinião, conforme destaquei em vários capítulos no livro Marketing da Terra (ver capa e sinopse na aba lateral direita deste blog), o produtor rural, grande ou pequeno, ou mesmo de agricultura familiar, não faz o preço daquilo que produz, quem faz esse preço é o consumidor, e a praga dos intermediários. O agronegócio (pequenos, médios, e grandes) minimiza o problema filiando-se às cooperativas, e é competente dentro da porteira, mas não participa de entidades associativas, que poderiam agregar valor à atividade.

Em outro livro de minha autoria, "Meu filho, um dia tudo isso será teu", registro que a grande maioria dos jovens filhos de produtores rurais querem a herança e a terra, mas não pretendem trabalhar com a terra, por falta de vocação, aptidão e amor, ou afinidade, digamos assim, com as lides rurais.

.

5 comentários:

  1. Richard,

    Quando você aparece ao lado desse individuo chamado Lula, o que você quer demonstrar?
    Ele é chefe da quadrilha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre,
      com a foto demonstro respeito a esse político brasileiro, que é admirado mundo afora, mas tem alguns poucos brasileiros, como vc, que não o admiram. Apenas isso. Felizmente estamos numa democracia, caso contrário vc me colocaria num pau-de-arara, não é? Menos ódio, Alexandre, caia na real. Vc repete o que choram os políticos que perderam as eleições.
      E leia o artigo sobre agricultura familiar, que vc não leu... E leia o anterior, sobre "Paz aos brasileiros, antes que seja tarde", porque vc está babando de raiva, e isso faz mal à saúde. Teu comentário, feito para mim, e que cujo urubu nada tem a ver com as garças, logo eu que sou teu amigo, me surpreendeu pelo tom e clima inamistoso. Mas eu defendo teu direito de dizer o que seja, mesmo que seja em meu blog, na minha casa, por acreditar no debate. Aliás, se não acreditar em debate, a única coisa que sobra é dar porrada, e acho que não é isso que vc quer... Ou é?
      abs
      Richard

      Excluir
  2. Richard,
    os pontos que vc bem menciona em seus livros podem ser atingidos muito rapidamente com o uso da banda larga e sistemas de educacao e saude remotos trazendo tambem a participacao em entidades associativas e o comercio eletronico. O movimento pioneiro no mundo para banda larga rural, ainda talvez o melhor exemplo, feito pelo povo para o povo e com desempenho melhor que o das telcos, e' o Folkets Hub na Suecia (link abaixo texto em sueco mas pode ser traduzido no google). Entidades como a Emater seriam ideais como catalistas de um movimento deste tipo. Noto tambem os esforcos do Ricardo Semler e sua escola Lumiar que tambem foram transpostos para o meio rural com sucesso e deveriam ser ampliados. Finalmente, um numero de comunidades rurais alternativas "open source" estao surgindo ligando a qualidade de vida rural com novos conceitos de vida comunitaria e soberania ver links abaixo. No BR o fator principal e' educacao e para chegar la' rapido e' preciso de banda larga rural.
    SDS
    Gerson Machado

    http://www.onecommunityglobal.org/
    http://www.newearthnation.org/
    http://youringenuity.com/
    http://www.folketshub.com/ (Community Broadband Fibre Sweden)
    http://www.thrivemovement.com/sector_solutions
    How can alternative communities nurture personal sovereignty and group harmony? Explore the brilliant new designs for living that people around the world are developing to redefine options for how we:
    Exchange goods and services
    Grow food
    Access energy
    Make decisions
    Resolve conflict
    Raise children
    Join Sacha Stone from New Earth Nation, Kate Wildrick and Aaron Courtyard from the Ingenuity Innovation Center and Jae Sabol from One Community along with the Thrive Team as we unpack some of the key organizing principles and how they can empower us to reclaim our lives and our future.
    February 14, 2015 12 noon–2pm PST
    Event Archive
    An archived version of the event is now available to watch.

    ResponderExcluir
  3. L.C.S. Ferreira Lima12 de março de 2015 14:49

    Meu caro Richard,
    Muito lúcidos e bem colocados os seus argumentos referentes ao artigo sobre Agricultura Familiar.
    Só quem tem a vivência do nosso setor, como você a tem, pode descrever com clareza todo esse contexto.
    Abraços
    L.C.S. Ferreira Lima

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.