sexta-feira, 29 de maio de 2015

Embutidos

Ciro Antonio Rosolem *.
Você sabe o que é custo de compliance? Belo nome! Deve ser assim uma coisa como um carrão, caro, vistoso, potente. Ou um novo modelo de colhedeira. Talvez um primo do GPS. Só que é um pouco pior: trata-se dos custos incorridos para cumprir a legislação, seja tributária, trabalhista, ambiental, ou seja, custo “embutido”. Nem sempre levado em conta pelos produtores rurais.

Mas estão lá! A Scott Consultoria estima que pode variar de R$ 150,00 a pouco mais de R$ 500,00 por hectare em produção. Não é pouco. Por exemplo, o custo médio de produção de um hectare de soja para a próxima safra está estimado de R$ 2.700,00 a R$ 3.000,00 pelo Instituto Matogrossense de Economia Agrícola. Ou seja, o custo de compliance representa mais de 5% do custo da soja. Só para lembrar, o custo de consultoria não costuma passar de 3%. Pagamos mais pelos custos embutidos que pelo conhecimento.

Muito bem. Estamos terminando uma safra que foi, no mínimo, emocionante. Os custos de implantação foram em dólares do ano passado, o valor de venda no dólar atual. Os custos estavam muito apertados. Apertados mesmo. Salvos pelo gongo da desvalorização cambial e das produtividades generosas (viva São Pedro!). Mas, e a próxima safra? Com dólar novo, espera-se uma rentabilidade muito baixa. Talvez não suficiente para pagar o arrendamento! Na verdade, a perspectiva não é boa para as duas próximas safras. Como fazer? O preço, por se tratar de commodities, não dá pra mudar. Como cortar custos? Usar menos tecnologia? Isso leva a menor produtividade, e maior custo por unidade produzida, maior prejuízo. Diminuir a área? E como pagar as dívidas que ficaram para trás?

Vejo dois caminhos principais que não são e não devem ser excludentes. É chegada a hora da verdade. Um deles depende só do agricultor. Sabe aquele talhão que sempre produz pouco? Aquele mais arenoso? Está na hora de acabar a brincadeira de produzir em solo sem aptidão para culturas anuais. É melhor não produzir em áreas que resultam em prejuízo. Sempre há uma Reserva Legal ou APP a compensar. Agora é a hora! É hora de jogar na retranca. Empate é bom!

O outro caminho depende de nossos governantes. É passado o tempo de diminuir os custos de compliance. É fundamental adequar a legislação trabalhista à realidade das fazendas. É preciso reestudar a política tarifária. É fundamental que se comece a pagar o agricultor pelos serviços ambientais, de modo a assegurar a implantação da legislação ambiental sem onerar inocentes. É hora de se tomar providências para diminuir drasticamente estes custos “embutidos”, que corroem, como cupim, o interior das finanças do agricultor.

* O autor é Vice-Presidente de Estudos do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu (SP).
. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.