sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Inocentes pagarão pelos pecadores

Richard Jakubaszko
“Ato de solidariedade burocrática do capitalismo”
A foto da situação estúpida do menino imigrante de 3 anos morto pela imbecilidade do capitalismo selvagem correu mundo, mas aqui no Brasil, publicada pelo UOL, foi alvo de críticas de alguns leitores politicamente corretos e de coleguinhas em sites que se imaginam como “especialistas em jornalismo”. As críticas estavam numa pretensa discussão sobre a propriedade, conveniência e pertinência, de a mídia publicar o retrato de tamanha tragédia humana, e acusavam os editores responsáveis de manchetismo escandaloso na busca de audiência.

Ora, cui bono? Sim, a quem interessa a não publicação? Única e exclusivamente aos líderes do monstruoso capitalismo internacional e dos políticos manipulados. Não foram eles (Otan, ONU, e demais organismos internacionais) que permitiram as invasões a países como Iraque e Afeganistão? Não foram eles que estimularam e provocaram a destruição das economias desses países, através de guerras civis, como a Síria, Líbia, Iêmen, Nigéria, e outros estados independentes na África e Oriente Médio adentro, sem contar a questão Palestina, onde Israel pratica um holocausto contemporâneo, e a mídia não discute as causas, não debate os problemas, limita-se a reproduzir os press releases da Casa Branca?

Uma curiosidade intrigante: nunca se viu tantas embarcações afundando sem causa específica, tanto no Adriático como no Mediterrâneo. Serão minas remanescentes do nazismo?

Não foram esses mesmos países que, antes da atual crise financeira eclodir, em 2008, quando a economia andava lucrativa, estimulavam ou permitiam “na moita” a importação de trabalhadores braçais desses mesmos países, para substituir seus compatriotas cujos salários andavam "altos demais"?

A diáspora africana (e a do Oriente Médio) vai prosseguir. Inocentes pagarão pelos pecadores, como profetizado por Cristo. A hipocrisia da mídia nacional, tal e qual a mídia internacional, também vai continuar. Discute-se os problemas pelas bordas, e esquecem que um homem com fome é um revoltado, mas que um pai cujo filho esteja com fome é um revolucionário em potencial. Já milhares de pais com filhos esfomeados tornam-se o quê?

As projeções estatísticas indicam que em 2030 os países do hoje Mercado Comum Europeu terão maioria de cidadãos muçulmanos. Caminho semelhante é projetado nos EUA, mas dividindo os espaços com cucarachas.

No Brasil, ainda somos uma ilha de paz e tranquilidade, os africanos e haitianos mal começaram a chegar, mas já se fazem notar

Esqueci: se editor fosse, a ter de decidir sobre a publicação da dita foto, não apenas publicaria a mesma, de margem a margem, como colocaria a legenda: “ato de solidariedade burocrática do capitalismo”. A manchete? “Massacre macabro”.

Jornalista que discute com a notícia não é jornalista, é um imbecil.
.

4 comentários:

  1. Parabéns, Richard. Boas considerações sobre os justos pagarão pelos pecadores. O massacre de crianças inocentes é conhecido por muitos de nós que vivemos nas ruas de grandes e medias cidades ou nas periferias e favelas deste país.
    Mauro Santayana e Leonardo Boff fizeram reflexões na mesma perspectiva sua. O Mauro, depois de mostrar a cumplicidade da União Européia com a política de guerras imperialistas dos Estados Unidos, termina dizendo: GALINHA QUE ACOMPANHA PATO ACABA MORRENDO AFOGADA!
    Paz e Bem! Laudato si, mi Signore, cum tucte le tue creature!
    Frei Alamiro

    ResponderExcluir
  2. Richard, brilhante jornalista como você é, quase acertou nessa, mas dizer que o Brasil é uma ilha de paz? Com todas as mortes com armas por ano? E as mortes dos inocentes nos hospitais e no transito, é meramente por culpa deles ou há um pecador por aí que não cumpre seu papel de administrador, do estado, funcionário público? o espírito do funcionalismo publico está longe de ser correto no Brasil...o nosso país também tem pais com filhos com fome....é um problema mundial, não se iluda com o nosso Brasil! Os pecadores estão à solta aqui também. Esse é o nosso principal problema! precisamos acordar aqui mais do que nunca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimos nunca são bem-vindos neste blog. Na próxima, por favor, identifique-se.
      Não sou "jornalista" (mas blogueiro) neste caso, muito menos brilhante. Sou um cidadão indignado com as injustiças sociais mundo afora, inclusive no Brasil, e faço isso no blog e nos contatos pessoais. O post acima é um pequeno exemplo, e evito os partidarismos políticos oportunistas para criticar governos, como vc faz. O post acima retrata uma hipocrisia da mídia em relação a milhões de migrantes, esfomeados, cuja causa são políticas erráticas com interesse econômicos. Não temos esse tipo de problema no Brasil, mas, como afirmei, tem sobrado migração de pobres deseperados para o Brasil. Relacionar esse problema com políticas públicas para os brasileiros não é verdadeiro.

      Excluir
  3. Oi, Richard!
    Não entendo porque não auxiliam a arrumar os paises em crise, em lugar de permitir enormes migrações para perturbar ainda mais as sociedades que se equilibram para manter um certo padrão de vida. Os imigrantes certamente serão utilizados como mão de obra escrava, como no Brasil, EUA, Japão etc. Veja o bilionario egipcio que propos a compra de uma ilha para ali alocar os refugiados. Por que não se usa esse dinheiro para melhorar as condições politicas, sociais e ambientais dos paises em crise? Seria tão dificil? Ou a crise interessa a quem ganha fortunas com isso, como sempre ocorreu? Sabia que magnatas americanos deram graças qdo a alemanha iniciou a 2a guerra, pois assim poderiam desovar armamentos cuja industria estava dando emprego aos cidadãos depois de uma crise profunda? Teriam que criar uma guerra se o idiota do hitler não tivesse começado. E essa 2a guerra foi feita por causa do resultado da 1a que tb não precisava ser iniciada. Aquela mania de mostrar quem manda mais na porrada.
    []s
    Odo

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.