sábado, 26 de dezembro de 2015

COP 21: o dia que a Ciência morreu.


William M. Briggs  
Presidente Hollande, da França, foi ao microfone e, com grande Soberba Gaulesa, anunciou: 12 de dezembro de 2015 será um dia que viverá em “infâmia”. Ou talvez tenha sido para a “história.” É difícil dizer dado que honradamente estava bastante animado quando falou, vendo que o mundo tinha acabado de ingressar em um memorável acordo para passar o máximo de seu dinheiro, que for humanamente possível, para prevenir o que não pode ser prevenido.

Então faça a sua escolha: infâmia ou história. De qualquer forma, esta data fatídica será lembrada como o Dia em que a Ciência Morreu.

Você já alguma vez a conheceu? Ciência costumava trabalhar de mãos dadas com o Governo, descobrindo coisas novas, nos dizendo como as coisas funcionavam e facilitando nossas vidas, dizendo o que era verdade sobre o mundo e o que era falso. Ela foi descompromissada e não sofre tolices. Mas agora ela se foi.

Aproximava os espectadores uma vez de que tinha sido vista como robusta durante anos. Ah, claro, Ciência manteve uma face pública brava, fazendo aparições aqui e ali, em um esforço para tranquilizar-nos que as coisas não eram tão ruins como se temia. Ela transformou-se em partições estranhas, conversando amigavelmente sobre o hábito de acasalamento dos ratos-almiscarados mongóis e de como as folhas de uma planta peruana rara poderia ser transformada em um bálsamo fantástico. Mas era claro, para aqueles que a conheciam melhor, que a doença tinha feito o seu caminho até o osso, que era apenas uma questão de tempo.

O fim também não foi bonito. Em vez de deixá-la falecer tranquilamente em particular, a Ciência foi levada para a sala de COP21 e foi humilhada, colocada para sofrer até o fim. Dezenas de líderes do nosso planeta se reuniram em volta dela e gritavam: “Nós podemos parar a mudança climática!”, “Temos de manter a temperatura da Terra em um aumento de 2 graus!”, “O mundo está se aquecendo fora de controle!”, “As pessoas estão sendo incomodados pelas alterações climáticas!”.

E sobre a Ciência foi lhe perfurando a carne, com cada insulto pseudocientífico sem sentido. As feridas foram mortais, mas ela ainda lutava pela vida, essa última centelha de verdade dando-lhe a força que podia. Foi uma coisa lamentável de se ver! No final, ela tinha encolhido a uma fração de seu tamanho anterior, a respiração quase extinta; quando, por fim, durante um período de calmaria, um único representante fez o seu caminho para o corpo partido de Ciência e disse: “Não tenha medo! Tenho aqui um enorme subsídio para estudar os efeitos devastadores das mudanças climáticas. Tome-o, e você vai viver.”

E assim, nesse momento de silêncio, quando ela teve uma última chance de dignidade, a Ciência hesitou por um momento, mas depois estendeu suas muito debilitadas mãos em sentido à droga que causou a sua doença e foi para o seu falecimento.

Assim que ela tocou o dinheiro, ela resmungou.

Dinheiro! O único ponto cego que a Ciência teve, a sua única verdadeira fraqueza. O dinheiro é como muitos, outra droga. Tomado em pequenas doses, controladas, os seus efeitos são benéficos e vivificantes. Mas aceitar demais e sem controle, instala‑se uma debilitante dependência. Como o álcool, é preciso quantidades cada vez maiores para produzir os mesmos efeitos. O vicio nunca é saciado. Ela vai dizer e fazer qualquer coisa para manter o dinheiro fluindo.

Presidente Eisenhower, nosso farmacêutico em Chefe, sabia do potencial tóxico do dinheiro.


Hoje, o inventor solitário, mexendo em sua loja, tem sido ofuscado por grupos de trabalho de cientistas em laboratórios e campos de teste. Da mesma forma, a universidade livre, historicamente, o manancial de ideias livres e de descobertas científicas, passou por uma revolução na condução da pesquisa. Em parte por causa dos enormes custos envolvidos, um contrato com o governo torna-se praticamente um substituto para a curiosidade intelectual. Para cada velho quadro-negro agora existem centenas de novos computadores eletrônicos.

A perspectiva de dominação de estudiosos da nação por emprego Federal, as alocações de projetos, e o poder do dinheiro estão sempre presentes – e é gravemente a ser considerada.

No entanto, na realização de pesquisa científica e descobertas no que diz respeito, como deveríamos, também temos que estar alertas para o igual e oposto perigo em que a política pública pode, ela própria, tornar-se cativa de uma elite científico-tecnológica.

Infelizmente, esse aviso foi ignorado. A Ciência pensou que ela poderia lidar com isso. Mas ela sempre pediu por mais, mais, mais. Ela nunca admitiu que ela teve um problema.

A perspectiva é sombria, agora que ela se foi. A Conferência do Clima de Paris jurou que vai gastar US$ 100 bilhões – ou mais! – Um ano para resolver um problema que não pode ser resolvido. O clima na Terra sempre mudou, sempre vai mudar, e não pode parar de mudar. É, portanto, impossível “lutar” contra o impossível.

A Ciência não está por perto para nos dizer que o aquecimento do clima da Terra parou cerca de vinte anos atrás. E ela já não pode verificar que os nossos modelos climáticos efetuaram tais previsões ruins há décadas e que a teoria do aquecimento global controlada por dióxido de carbono é certamente falsa. Ela não vai estar lá para tranquilizar-nos de que todas as outras previsões da desgraça do clima falharam em se materializar.

Não, a Ciência está morta e o que resta é somente poder cru. Devemos esperar que a Ciência real poderá emergir das cinzas, dar a volta por cima e se dedicar a descobrir a verdade sobre o mundo natural. Mas esta esperança não deve nos impedir de realizar uma pausa para observar a morte da Ciência.

Publicado em 12 de dezembro de 2015 no https://fakeclimate.wordpress.com/2015/12/16/cop-21-o-dia-que-a-ciencia-morreu/

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.