sexta-feira, 25 de março de 2016

Será o início do fim do jornalismo?

Richard Jakubaszko 
Ando cada vez mais exasperado com o jornalismo brasileiro. Aqui, nesta terra provavelmente (ou quem sabe temporariamente...) esquecida pelo Criador, prevalece a lei da selva, a lei do velho oeste, onde pratica-se um jornalismo político da pior espécie, o jornalismo de esgoto, que penetra com suas influências ideológicas em quase todas as editorias, seja pela omissão de fatos importantes, seja pela falta de senso crítico, seja pelos exageros e distorções daquilo que é publicado.

Vamos por partes. Afinal, não se faz mais jornalismo no Brasil, mas sim política rastaquera e partidária da pior espécie nas páginas de jornais, revistas e nas TVs, e também na Internet.

A falta de senso crítico
1 - Nenhum jornal, revista ou TV debate a proposta de José Serra no Senado, de privatização do pré-sal. A sociedade nem sabe o que está acontecendo.

2 - Critica-se o governo por haver um déficit público no orçamento, mas a mídia é o verdadeiro "porta-voz" do mercado financeiro, que exige elevação da Taxa Selic para reduzir a inflação. Ora, critica-se a Previdência, por ter um déficit de R$ 6 bilhões, mas a mídia não debate e nem informa que o aumento da Selic vai obrigar o Governo Federal a pagar algo como R$ 550 bilhões de reais de juros da dívida pública em 2016. Deduzo que a mídia não tem papel social, mas apenas político partidário.

3 - Investiga-se o PT, em todas as instâncias, até o iate de lata e a horta de Dona Marisa, como se fossem os petistas os criadores e desenvolvedores da corrupção no Brasil e no mundo. Mas, por que não se investigam as dezenas de denúncias contra os tucanos e de outros partidos?

4 - As distorções vão sendo registradas para a história, sobre economia e política; a parcialidade partidária e política do jornalismo brasileiro vai provocar muita dor de cabeça aos historiadores do futuro. As audiências das TVs que o digam, desabaram. As tiragens dos jornais e das principais revistas semanais despencaram.

5 - A veja deste fim-de-semana tem uma capa antológica do jornalismo "investigativo", e especulativo, imediatamente negado pela Embaixada da Itália. Mudou a direção de redação da revista, e algumas moscas, mas a merda é a mesma.

Leia a nota na íntegra:


COMUNICADO DA EMBAIXADA DA ITÁLIA SOBRE A MATÉRIA "O PLANO SECRETO", PUBLICADA NA REVISTA VEJA.

Em relação à matéria "O plano secreto" publicada na última edição da revista Veja, a Embaixada da Itália declara:

1 - As informações referentes à Embaixada e às supostas conversas do Embaixador Raffaele Trombetta são inverídicas.

2 - Relativamente ao evento no Palácio do Planalto, a pessoa destacada na fotografia e sentada em uma das primeiras fileiras não é o Embaixador Trombetta, como pode-se constatar facilmente. O EmbaixadorTrombetta estava sentado, junto a todos os demais embaixadores, no espaço reservado ao corpo diplomático.

3 - Na conversa telefônica citada, foi dito ao jornalista que não se queria comentar fatos que, no que tange à Embaixada, eram e são totalmente inexistentes.

Brasília, 25 de março 2016

.

Um comentário:

  1. Roberto Costa Grandis26 de março de 2016 22:52

    Richard,
    discordo em parte de vc. O jornalismo anda ruim nas semanais, e alguns jornalões, mas está vivo em publicações outras, na internet. Mas a Veja reconhece isso, a barrigada eles admitiram que é "exclusivo" deles...
    abs
    Roberto

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.