segunda-feira, 18 de abril de 2016

Um golpe contra o povo e contra a democracia



por Aldo Fornazieri
Uma farsa dantesca, uma hipocrisia medonha, um cinismo indescritível. Eis a síntese do que se viu no dia 17 de abril de 2016 na Câmara dos Deputados. O que os deputados golpistas autorizaram foi a cassação de 54 milhões de votos, a cassação da soberania popular para que um grupo de corruptos assalte o poder sem voto e sem legitimidade. O que se viu foi a farsa de abrir caminho, em nome do combate à corrupção, para que um denunciado de ter recebido cinco milhões de reais em propina se torne presidente do Brasil. O que se viu foi a hipocrisia de, em nome da moralidade, permitir que o maior corrupto do Brasil se torne o primeiro na linha de sucessão da presidência da república. O que se viu foi o cinismo de deputados acusados de corrupção declararem votos em nome da salvação do Brasil do mal da corrupção. Este espetáculo de degradação da política, de degradação da dignidade do Brasil, sequer escapou ao New York Times que estampou em sua capa: “Gang de ladrões vai julgar Dilma”. Em nome de Deus, da família e da pátria e blasfemando contra Deus, conspurcando as suas famílias e pisoteando a pátria e a Constituição essa gang de ladrões fez suas declarações de voto.

O que se viu foi uma Câmara dos Deputados, que tem 7% de avaliação positiva, falar em nome do povo cassando o voto do povo. Foram 367 punguistas anulando 54.501.118 votos. Não há nenhuma acusação razoável contra a presidente Dilma e há cerca de 300 deputados enredados com questões judiciais. Não há democracia sem respeito à soberania popular.

Houve uma clara e criminosa ruptura da ordem democrática e institucional. Ruptura construída paulatinamente, pelo juiz Moro, pelo Ministério Público Federal, pela Polícia Federal e pelo Supremo Tribunal Federal que prevaricou ao permitir que Eduardo Cunha comandasse esse processo inescrupuloso de violência contra a democracia. O que se viu foi a desavergonhada declaração de votos de deputados do PSDB e de outros partidos de oposição clamando pela responsabilidade fiscal quando votaram nas pautas-bomba de Eduardo Cunha aumentando o déficit público no momento em que o Brasil precisava reduzi-lo. Como podem esses todos arvorar-se salvadores do Brasil quando agiram justamente para quebrar o Brasil?

O PT e o governo devem um pedido de desculpas à sociedade
Como pode essa gang de ladrões aliar-se à Fiesp que clama para não pagar o pato quando se sabe que quem paga o pato da Fiesp, dos bancos e do agronegócio é o povo pobre do Brasil que paga muito mais impostos que os ricos? Como pode o governo do PT ter sido tão ingênuo ao conceder mais de R$ 400 bilhões em incentivos e subsídios às elites possuidoras para ser traído por elas? Como pode o governo do PT ter se aliado aos partidos conservadores das elites abandonando o povo para ser traído por ministros do próprio governo na véspera e durante a votação do golpe?

Como pode o PT ter se enganado, imaginando que podia contar com o beneplácito das elites; que podia beber os vinhos caros com as elites; que podia exibir-se com os ternos importados junto às elites; que podia frequentar os hotéis e restaurantes luxuosos para congraçar com as elites? O PT foi aceito enquanto enchia os bolsos das elites com a farra das commodities. Nesse meio tempo, os movimento sociais se tornaram incômodos para os petistas nos governos; as sandálias da humildade foram jogadas no lixo; a estúpida arrogância do poder mesquinho entumecia o peito de parlamentares e dirigentes petistas; o conhaque de alcatrão de São João da Barra foi substituído pelo whisky envelhecido. Mas quando os governos petistas não tinham mais o que entregar à elite branca, endinheirada, de mentalidade escravocrata, machista, racista e homofóbica, o PT recebeu um senhor golpe. Somente nesse momento se lembrou de recorrer ao povo – mas tardiamente. Já passou da hora de o PT e do governo pedirem desculpas à sociedade pelos seus erros e pelos seus desvios

Sem pacto e sem transição transada
Quando veio a conta da farra fiscal em favor das elites, essas não quiseram pagá-la. Propuseram que o governo do PT pendurasse a conta nos ombros dos trabalhadores. O governo ficou paralisado: não fez nem uma coisa e nem outra. Não teve coragem de cobrar a conta a aqueles que mais ganharam.

Com um roteiro golpista e conspirador Temer e o PMDB construíram um programa de ataque aos direitos trabalhistas e sociais, de quebra da previdência, de entrega de áreas da economia de conteúdo nacional ao capital estrangeiro, de associação subordinada aos interesses geopolíticos dos Estados Unidos. Essas são algumas das razões do golpe.

Mas se o PT e o governo foram humilhados e derrotados, se a Constituição foi rasgada e se a democracia foi violentada, paradoxalmente, essa crise toda produziu algo positivo. Novos movimentos sociais surgiram, uma juventude combativa se pôs nas ruas, milhares de debates foram realizados e esses novos movimentos e essa nova esquerda construíram pontes de unidade com os movimentos sociais que estavam paralisados, sob a cômoda condição de governistas. As manifestações do “não vai ter golpe” se equipararam às manifestações pró-golpe e isto fez com que nas redes sociais houvesse uma virada contra o golpe.

Duas frentes progressistas e de esquerda se formaram – Povo sem Medo e Frente Brasil Popular – e passaram a atuar em conjunto. É preciso avançar na reorganização dos movimentos sociais e políticos numa ampla frente progressista para enfrentar as novas etapas do golpe. O mais provável é que esse processo deságue na proposição de novas eleições gerais.

Mas o que esses movimentos políticos e sociais aprenderam nesse curto espaço de tempo é a necessidade de construir e preservar a autonomia em relação a qualquer governo. Para quem quer conquistar direitos e construir políticas públicas sociais é mais importante estar nas ruas, nas periferias, nas organizações sociais, culturais e sindicais do que estar nas secretarias e nos ministérios dos governos.

Esses novos movimentos não devem e nem podem fazer nenhum pacto. Os pactos, as “transições transadas”, na expressão do Raimundo Faoro, sempre foram enganosos para o povo e para os movimentos sociais. Mudanças efetivas nunca se consumaram no Brasil, pois as elites se apossaram das ideias de mudança para manter o status quo. É o que se vê novamente neste momento. Em nome do combate à corrupção quer-se um retrocesso da democracia, dos direitos sociais, dos direitos civis e dos direitos políticos. Movimentos de repressão e de perseguição à lideranças de movimentos sociais já estão em andamento. O povo não pode enganar-se e nem ser enganado mais uma vez com pactos ilusórios.

Se o governo Temer vier, será preciso agir para derrubá-lo, pois será um governo ilegítimo produzido por um golpe antidemocrático. Não se pode dar nenhuma trégua a um governo dessa natureza. A ideia da “unidade nacional” nada mais é do que uma máscara para jogar o peso do ajuste nos ombros dos trabalhadores e para sacrificar os programas sociais. As elites estão quebrando a ordem democrática e constitucional. Não merecem nenhuma confiança e nenhuma trégua.

Neste 17 de abril de 2016, o sol enganou o dia e a lua enganou a noite. Não poderá ser lembrando com um dia ensolarado e como uma noite enluarada. Foi um dia trevoso, cinzento para a história do Brasil. Felizes os portugueses que comemoram o mês de abril como um mês de libertação. Nós, brasileiros, teremos que lembrar o mês de abril como o mês da vergonha, da farsa, da hipocrisia e do cinismo.

* o autor é Professor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Publicado originalmente em http://jornalggn.com.br/noticia/um-golpe-contra-o-povo-e-contra-a-democracia-por-aldo-fornazieri

.

4 comentários:

  1. Com a devida vênia, esse texto somente repete o mantra do "golpe" que tem sido dito há algum tempo pela esquerda, sem nunca entrar realmente no mérito e nem no âmago dos acontecimentos. Antes, a coligação com o PMDB era a melhor da história e o Temer o melhor vice, mas quando ele decide se diveorciar em 2015, passou-se a atacar à pessoa ao invés de refletir os motivos que o levaram para tal. Não estou defendendo o Temer, mas ele é legítimo sim, pois teve os mesmos 54 milhões de votos, ou a foto dele não estava com a da Dilma na urna? Ele foi eleito e, seguindo a constituição, é ele quem assume. Sobre o Cunha, separo-o em 2 pessoas: parabenizo o Cunha como presidente da Câmara, onde foi o que deu mais andamentos a tudo q estava embolorando nas gavetas e conhece o regimento como ninguém. O outro Cunha, o que tem contas externas, esse deve ser processado e julgado e sofrer todas as sanções que a Lei impõe.
    O Brasil não mergulhou no caos econômico por causa da lavajato (que pensamento absurdo!!!), ela apenas mostrou o que acontecia nos bastidores do poder. Então, se não houvesse lavajato e juiz Moro, o Brasil seria a potência mundial e a economia estaria a pleno vapor? Claro que não, pois em economia há uma máxima que diz que vc pode construir o cenário que quiser, mas a realidade sempre aparecerá no final.
    Como ainda desejar um governo que, desde quando compôs o congresso, não conseguiu angariar um parlamentar a favor?? Os mesmo 136 do "nao" são os mesmissimos 136 que tentaram eleger Chinaglia para presidência da Câmara em 2014, ou seja, nunca evoluiu o apoio ao governo, somente restando apoio dos seus e de alguns partidos fiéis de ideologia semelhante. Vamos acordar para a realidade: esse governo não vive mais, é um zumbi. Se não consegue o mínimo para evitar um impeachment, ficando muito aquém do necessário, como quer insistir em continuar? Por liminares no STF?? 54 milhoes de votos não são salvo-conduto para fazer o que bem entender, para ninguém.

    Novas eleições Gerais?? INCONSTITUCIONAL!!!! Precisam ler o art 60, parag. 4, Inc II. É uma cláusula pétrea. Mexer nisso sim, seria um golpe. QUerem conversar sobre parlamenarismo? façam um plebiscito como em 1993.

    Essas ideias malucas são reflexo do desespero e da falta de resignação sobre a realidade.

    Falácia se ater ao argumento que pedaladas sempre aconteceram em governos anteriores. FHC passou do limite contablalgo na ordem de 0,03% do PIB, sendo quase que imediatamente pagos, Lula tb aconteceu algo parecido, mas Dilma chegou a 1% do PIB, por anos consecutivos desde 2013 e ela que acabou sendo processada. Se outros não foram, sorte deles. Não se justifica o próprio erro com erros alheios.
    O José Eduardo Cardozo entrou em contradição ao afirmar que não eram operações de crédito, mas sim atrasos nos pagamentos de contratos de prestação de serviços. Logo após ele afirmou que o TCU mudou o entendimento e eles não fizeram mais. Ora, se não eram operações de crédito mas eram contratos de serviços, por que pararam de repente com a decsao do TCU que foi sobre CRÉDITOS e não sobre serviços? O contrato de serviços acabou coincidentemente no dia em.a o TCU mudou o entendimento??? Ora Sr. Ministro, tenha amor à sua profissão e biografia, não teste a inteligência dos outros.

    Tudo até aqui foi feito de acordo co a CF, referendado pelo STF, portanto, não é golpe.

    Impeachment é um processo juridico-político, onde a força política é sempre maior pois é um processo julgar por políticos, se assim não o fosse, seria simplesmente pelo STF. Sendo político, um governo esfacelado esta fadado ao fim. Pergunte ao Collor, ele sabe como é isso.

    O PT tem um grande ploblema: quando é com os outros, tá tudo certo, mas quando o alvo é o PT, ai passa a ser golpe.

    Ufa....me estendi demais mas nao me contive e sei que Richard entende minha posição.

    Abraços Richard

    ALCEU

    ResponderExcluir
  2. Outra coisa que esqueci de comentar é a insistência da esquerda em querer dividir as pessoas: falam em elites contra pobres, brancos contra negros, homens contra mulheres, homo contra heteros e até ouvi de um Deputado do Piauí na comissao dizer que sao os paulistas que estão querendo tirar a Dilma pq ela é mineira/gaúcha, assim como aconteceu com Getúlio Vargas em 32. Olhe onde chega os absurdos!!! Mas eu entendo que eles seguem a cartilha da esquerda, onde deve-se "dividir para conquistar". O Brasil não pode se deixar ser dividido...isso é porta aberta para a manipulacao. Vejo isso já nas escolas onde essa doutrina esquerdista começa, indo até as universidades, onde pintam que quem é da esquerda são as "vítimas oprimidas bonzinhas" e os da direita como "opresssores malvados". Não indicam nenhum livro de autores liberais, mas autores da linha marxista são enfiados goela abaixo. POR QUE??? É proibido o aluno querer conhecer outra visão que não aquela em que a maioria dos professores, principalmente de sociologia, história, geografia acreditam??? Dane-se a visão deles, quero ter a minha e não ser doutrinado. Parece ser crime ter uma visão mais centro-direita aqui no Brasil, sendo sempre taxados de opressores, mas quem e de esquerda nunca leu a doutrina contrária para poder falar isso, mostrando que agem mais por lavagem cerebral do que por conhecimento, salvo algumas excessoes.

    Como já demosntrei nos meus comentários, discordo 100% desde texto, mas mesmo assim defenderei até a morte o direito de livre pensamento do autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alceu,
      não é crime ter opinião própria, mas no Brasil não existe nem esquerda e nem direita, leia artigo meu a respeito, aqui no blog, de 2007.
      Também respeito sua opinião, por isso a publico, e defendo seu direito, como afirmou Voltaire, de dizê-lo até a morte, mas a nossa mídia nega isso a todos quem têm opinião contrária. Eu publico comentários contrários ao que penso, mas a mídia não faz isso. Só teremos liberdade de imprensa quando houver direito de resposta e a mídia não nos permite isso.
      Manipulação é afirmar que o PT é de esquerda, bolivariano, e outras merdas. É mentira e enganação, o PT foi quase tão neoliberal quanto FHC e o PSDB, só não privatizou o patrimônio público, como quer o Serra, que vai entregar o pré-sal para a Chevron e aos americanos.
      Fora isso, o Temer vai desmontar a CLT, reduzir (pela inflação) o salário mínimo, e vai privatizar a carteira profissional dos empregados, retirando inúmeros direitos dos trabalhadores, inclusive vc, que, como policial militar nem é funcionário público e muito menos cidadão em termos de aposentadoria. Tudo isso para "reduzir o déficit" do orçamento. Mentira, se desejassem mesmo reduzir o déficit reduziam a taxa selic, cujos juros comprometem 45% do orçamento. Mas se o governo baixou a selic para 7% é pau no governo, e a mídia é porta voz do mercado financeiro. Isso de reformar a previdência para ajustar o déficit fiscal é mentira da carochinha...
      Portanto, quem faz lavagem cerebral é a mídia engajada e vc acaba por terceirizar as duas ideias.

      Excluir
  3. Alceu,
    a coligação com o PMDB é fundamental ao presidencialismo de coalizão, sem ele não se aprovariam as leis, mas o PMDB sempre foi assim, fisiológico, para cada projeto de lei exigia mais cargos e favores, foi assim com Sarney, com Itamar e com FHC, e muito mais com Lula e Dilma. Com FHC aprovou a CPMF e com Lula desaprovou, por interesses do PMDB, nunca pelo país. O Temer não teve voto para vice, quem foi eleito foi a Dilma.
    Agora, nunca vi um vice conspirar um golpe, pq ele é o beneficiado, com apoio da grande mídia e do capital internacional. Desta vez vai dando certo... Por isso é ilegítimo, além de ele estar citado na Lava Jato, junto com Cunha e com mais de 110 deputados envolvidos em processos.
    A Petrobras (18% do PIB) está paralisada, e, junto com as empreiteiras, representam mais de 25% do PIB. Associado à crise internacional (e os baixos preços do petróleo), garantem a nossa crise. Punam-se os corruptos da Petrobrás, e os diretores, nunca as empresas, que são elas as empregadoras.
    Agora, admita, o foco do juiz Moro e da Lava Jato chama-se PT e Lula, é seletivo, todas as denúncias contra o PSDB, e até PP e PMDB se arrastam ou são ignoradas.
    Como noticiei aqui no blog, foi a Dilma quem DEMITIU os 3 diretores da Petrobrás, isso em 2012, e pediu ao Ministério Público para investigar, e deu no que deu em 2014 quando a Lava Jato iniciou. E as indicações então demitidas eram do PP e do PMDB... Mas a mídia omite, e joga do colo do PT a corrupção... Agora que as investigações da Lava Jato paralisam o país, e ameaçam pegar gente grossa de vários partidos, com a posse do Temer, verás o que os corruptos vão fazer com a Lava Jato, vão jogá-la no lixo, e se safar... A acusação do Cunha não será aprovada nem pela comissão especial, nem irá a plenário, e ele se safa, e ainda será o vice... E isso não é golpe??? A mídia internacional diz que sim!!!
    E eu não sou petista.


    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.