sexta-feira, 24 de junho de 2022

O cara foi ao fogo e queimou-se

Richard Jakubaszko   

Agora mais do que nunca ficou claro que somos como peixes, morremos pela boca. O exemplo vem do ex-capitão, que quase foi expulso, e depois aposentado compulsoriamente do exército, mas que o povo imbecilizado acreditou que ele se sairia melhor como presidente do que como tenente unabomber. Pois Bolsonaro afirmou em uma de suas lives que colocava a cara no fogo pelo ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Queimou-se, evidentemente, sem precisar ser profético, e o passar do tempo neste mundo imenso da Via Láctea vai confirmando que o Brasil continua o mesmo de sempre: preso ontem, libertado no dia seguinte, pois forças estranhas movimentaram-se em Brasília na calada da noite para liberar o ex-ministro e também os pastores presos, antes que começassem a falar demais. Melhor uma CPI do que uma denúncia premiada em ano de eleições.

No mesmo dia da liberação do ex-ministro, aparecem procuradores do Ministério Público e delegados da Polícia Federal denunciando as manobras apócrifas à investigação e das ordens secretas de interferência nas ações do processo policial.

É por essas e outras que o tal do poder é tão bão... Mas o lado curioso e objetivo dessa história é o que as pesquisas eleitorais vão confirmando, que provavelmente teremos apenas primeiro turno nas eleições de 2022. Será?




 

 

 

.

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Segura peão!!!

Richard Jakubaszko  

É mais ou menos isso que os integrantes do desgoverno Bolsonaro andam gritando uns para os outros enquanto as eleições de 2022 não chegam. 

Milton Ribeiro, o advogado e ex-ministro da Educação de Bolsonaro foi preso hoje em sua residência em Santos, e em outras cidades foram presos também alguns dos pastores evangélicos que andaram vendendo bíblias a prefeitos amigos com pagamento em barras de ouro, em troca de liberar verbas do ministério da Educação, com apoio desses pastores, todos amigos de Bolsonaro, e a quem visitaram mais de 30 vezes nos últimos 12 meses. Curioso é que Milton Ribeiro autorizou a impressão das bíblias com inserção de foto colorida do ministro, mas ele não havia autorizado a distribuição. Doce e inocente criatura...

Em gravação que as TVs andam exibindo o ex-ministro da Educação afirmava a amigos que tinha prioridade na liberação das verbas para prefeituras com urgência e na sequência aos prefeitos indicados pelos pastores evangélicos amigos de Bolsonaro. Amanhã o ex-ministro terá audiência com a Justiça para saber se continua preso ou se será liberado para responder ao processo em liberdade. Em Brasília a torcida tranca o berro do "segura peão!", e prende a respiração, pois se o ministro falar demais pode dar uma merda muito maior do que já está.

Tem muito mais coisa rolando nesse entrevero, até amanhã a cobra vai fumar e Bolsonaro pode chutar o pau da barraca, o cara tá doidão e voltará a soltar suas feras. quem viver verá. Cai mais uma vez o pano do teatro bolsonarista de que em seu desgoverno não tem corrupção.

 

.

terça-feira, 21 de junho de 2022

O solstício de inverno

Evaristo de Miranda
  


Vivemos os dias mais curtos do ano. Em 21 de junho ocorre o solstício de inverno. "No Hemisfério Sul é a noite mais longa do ano. E o dia mais curto".

O solstício é determinado pelo cosmos, um fenômeno astronômico. Dada a inclinação do eixo rotacional terrestre, o sol nunca nasce, nem se põe, exatamente no mesmo local. Ele está em permanente deslocamento. O sol nasce sempre a Leste, mas cada vez mais em direção ao Norte, durante o outono. Em dado momento, o sol para nesse movimento aparente. Ele estaciona, sol sistere, não se mexe. O sol estaciona no solstício. E marca o início do inverno. No dia seguinte, ele começa a “voltar”, em sentido oposto, direção ao Sul. Esse evento cósmico é observável em todo o planeta.

No dia 21 de junho, o sol está com um deslocamento máximo ao Norte. Da varanda da casa ou da janela do apartamento marque o local onde o sol surge ou desaparece no horizonte. Pode ser na véspera ou mesmo um dia depois do solstício. É a marcação do sol, dos agricultores. Depois compare, em dezembro por exemplo, onde ele andará. Uma diferença enorme, imperceptível no dia a dia. Esse ciclo celeste do caminhar do sol dá para ver “da janela lateral”. Basta contemplar.

No solstício de inverno, a projeção do caminho do sol, no chão, sobre a Terra, “traça” o Trópico de Câncer, a 23 graus e 27 minutos de Latitude Norte. Os raios solares incidem perpendicularmente sobre o Trópico de Câncer. O sol passará a pino sobre Taiwan (onde há um belo monumento ao Trópico de Câncer), China, Índia, Emirados, Egito, Líbia, Argélia, Bahamas, Sul dos EUA e México. No Brasil, ao contrário, ele estará bem baixo na abóbada celeste. Ao meio dia, pessoas, edifícios e postes projetarão "as sombras mais longas do ano", em direção ao Sul. O sol penetrará pelas janelas voltadas à face Norte. Seus raios iluminarão ao máximo o interior das casas.

Para os antigos gregos, a beleza dos céus estava na precisão matemática dos ciclos celestes. Cosmos = beleza, como na palavra cosmética. Na agricultura, as principais colheitas (soja, milho, laranja, arroz, algodão...) já ocorreram. Mais de 270 milhões de toneladas de grãos. É tempo de entressafra. Com a passagem do solstício de inverno, a luz retorna. Inexoravelmente. Os dias durarão cada vez mais. Essa vitória progressiva da luz – comemorada nas festas e fogueiras juninas - convida todos, no campo e na cidade, a se prepararem para o futuro plantio, para serem fecundos, crescerem e darem muitos frutos, como no chamado do início da Criação (Gn 1,28).

* o autor é engenheiro agrônomo, doutor em Ecologia e pesquisador da Embrapa Territorial.

 

 

.

 

quarta-feira, 15 de junho de 2022

Brasil - qual é a tua cara?

Richard Jakubaszko

                       Bolsonaro tira uma soneca ao lado de Biden,                                                    
Somos um país de contrastes, e de muitas imbecilidades. Em verdade, os últimos anos têm sido mais de multiplicação das imbecilidades do que os contrastes e diferenças, sociais ou econômicas, especialmente o abismo cultural, e sempre foi assim.

Fico me perguntando, invariavelmente sem encontrar respostas, quando houve a ruptura, quando que esse elo foi quebrado. Talvez isso esteja dentro da gente, pois quando bem jovem a gente não tem a percepção clara das brutais diferenças existentes, e que só a idade e a experiência tornam tudo isso mais evidente.

Vejam só o caso do sumiço do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, lá na Amazônia. Meu Deus do céu!!! Quanta imbecilidade está sendo dita e repetida pela mídia, repercutindo as chamadas autoridades, inclusive o estrupício do Bolsonaro, com suas maldades, e até mesmo nossa então invicta (de imbecilidades) área da diplomacia, que embarcou fundo nas medíocres fake news bolsonarianas e anda pedindo perdão por informes falsos e indevidos, e também não esclarecidos. Nenhuma TV, ou jornal, ninguém mandou repórter competente lá no oeste da Amazônia pra saber o que de fato acontece de verdade. Passaram-se 11 dias, contando hoje, que a dupla está desaparecida, e nada foi esclarecido, seja pelos jornalistas, pela polícia, indigenistas, governo local ou federal. A cobertura jornalística é absolutamente medíocre.

Mas a mídia, afinal, é culpada de tudo o que acontece? Tenho minhas suspeitas de que sim, a mídia é culpada, porque é engajada e parcial. Há assuntos que durante a pandemia, para ficar num curto espaço de tempo, mas ao mesmo tempo longo e cansativo, pelas repetições, que nunca saem de cartaz. Como os caipiras dizem, não defeca e nem desocupa a moita, e nóis fica da expectativa de que algo definitivo vai acontecer a qualquer momento. Vejamos alguns rápidos exemplos de assuntos abordados diariamente na mídia, que nunca saem das manchetes, e nunca são resolvidos, e que explicam parcialmente porque a sociedade brasileira está mais do que imbecilizada.

1 – as fake news e suas variáveis. O STF ou STJ ou TSE jogam um ping pong legal com o Ministério Público e a PGR a 5 mãos, e pra mídia tudo é informação quente, seja declaração de ministro do judiciário, sentenças, ameaças de bolsominiuns, denúncias e fofocas oficiais. Alguns jornais e TVs criaram seções especializadas em desmentir fake news, como se apenas na vida da internet celulárica existisse fake news.

2 – todas as reformas, e quer seja política, trabalhista, aposentadoria, tributária, sempre tem alguma que vai avançar. Elas estão na pauta dos políticos candidatos a alguma coisa, outra que vai ser rejeitada em definitivo, e depois das eleições teremos um mundo melhor, com a variável de que depois de 100 dias da posse dos eleitos começará a campanha para 2026, mas antes teremos eleições para prefeitos e vereadores em 2024... Esses merdas desses políticos, parece que são sempre os mesmos, a cada 4 anos ficam desempregados e veem pedir votos pra nós.

3 – crise econômica, inflação, desemprego, gente passando fome e frio nas ruas, a mídia parece um bando de comunistinhas radicais, esquerdistas criticando os governos por toda essa desastrosa situação. Se aparecer alguém do governo e afirmar que, “tá certo, vamos arrumar isso tudo, mas precisamos de dinheiro e de mais impostos”, quero ver onde os jornalistas vão meter as suas caras...

4 – mudanças climáticas, esse é um dos temas preferidos nessa cacofonia midiática, e aí vem um pacotaço de coisas ruins, do tipo vai esquentar, o planeta vai derreter, estamos na beira do precipício, tá tudo poluído e nenhum governo faz nada. Quando aparece um maluco como eu que fala que é tudo mentira, afora a poluição, aí chamam o cara de maluco. Se esse cara escreve um livro a respeito, pior ainda, todos da grande mídia ignoram o audacioso, ninguém da mídia entrevista o cara, e ninguém publica sequer uma nota sobre o livro. Pessoas como eu, na opinião dos jornalistas, não deveriam existir, ou deveriam ser jogados do alto de um prédio de 20 andares ou mais, pra parar de encher o saco.

5 – qualquer besteira dita pelo Bolsonaro vira manchete de jornal ou destaque nos telejornais. Aparecem os repórteres pouca prática que repercutem, entrevistam políticos amigos e da oposição, depois veem os analistas e colunistas, uns descem o cacete no Bolsonaro, outros aplaudem, especialmente se forem das engajadas e bem remuneradas Jovem Pan ou CNN, TV Record etc. Enfim, se Bolsonaro da um pitaco sobre vacina, ou fala sobre cloroquina ou vermectina, ou afirma que o indigenista Bruno e o jornalista Dom estavam numa aventura, tudo isso é fake news presidencial, a mídia repercute porque os correligionários vão ler ou assistir, e isso dá audiência, e aí tem mais audiência porque os desafetos de Bolsonaro também querem saber qual foi a última merda presidencial...

6 - a mais cansativa e repetitiva das fake news, e que não sai do ar, é a mentira sobre as urnas eletrônicas, de que seriam facilmente manipuláveis, e permitiriam dessa forma alterar resultados de eleições. Essa mentira, em meu modo de ver, traz uma constatação, a de que STF e TSE deveriam realmente ser fechados por incompetência, porque admitem um absurdo desses e nada fazem. Mandem colocar uma camisa de força nesse maluco que hoje é nosso presidente.

Resumo da ópera, fake news pra Bolsonaro é o “falem bem ou falem mal, mas falem de mim” dos tempos de Jânio Quadros, Ademar de Barros e Paulo Maluf. O que resume uma triste verdade, a merda é a mesma de sempre, só mudaram as moscas. Mostra que Cazuza tinha razão, quando pedia “Brasil, mostra tua cara”, porque aqui nas paisagens tupiniquins a hipocrisia sempre prevaleceu.

A diferença é que ainda nos tempos de Cazuza, ou antes disso, um presidente brasileiro jamais pediria a um presidente americano, através de tradutores oficiais, para que desse uma ajudazinha nas nossas eleições, pra ele Bolsonaro ganhar as mesmas e que pudesse se reeleger...

 

.

sexta-feira, 10 de junho de 2022

33 milhões de brasileiros passam fome

Richard Jakubaszko 

E a culpa dessa merda da fome retornar, de quem é? Do Bolsonaro? Do Temer? Ou seria do Lula? Que saiu do poder em 2010. Quem sabe a culpa seria da Dilma, que foi impilchada em 2016? Ou é culpa dos brasileiros que votaram em 2018 nesse presidente grosseiro, tosco e ignorante que nos desgoverna?

O fato verdadeiro e irrefutável é que a inflação está aí, de volta, para infernizar a vida dos brasileiros, e cravou aumento de 67% nos preços dos alimentos da cesta básica nos últimos 12 meses. Com o desemprego reinante, provocado pela crise política e econômica, sem aumento de salários, os pobres no Brasil voltam a passar fome. E 33 milhões de brasileiros passam fome hoje diante da incompetência de Bolsonaro e de seu desgoverno, a começar pelo seu posto Ipiranga.

Não bastasse isso ainda temos de ouvir piadas desses salafrários, seja do filho 01, praticante juramentado de rachadinhas, de que quem ganha auxílio Brasil de R$ 400,00 não passa fome... Ora, com essa fortuna isso pode ser verdade para uma família de 4 pessoas por quanto tempo? 10 ou 15 dias? Então temos aí o brasileiro que passa meia fome por 15 dias no mês, nos demais ele se arruma com a ajuda de Bolsonaro, faz poupança e ainda espera votar no dito cujo mais uma vez em outubro próximo...

Solução pra isso? Só o voto correto conserta isso meu caro leitor. Até lá você ainda vai ouvir ufanismos imbecis de que o Brasil mata a fome de 1 bilhão de pessoas no mundo com a produção de alimentos do nosso agro. Mas isso não vale para os brasileiros... É por isso que o posto Ipiranga e o próprio Bolsonaro recomendam com “otoridade” que os supermercados reduzam os lucros até o final do ano. Para que ele Bolsonaro possa se reeleger...

Ora, ora, que piada mais desengraçada, meus caros. Até nisso os brasileiros pioraram, antes a gente perdia um amigo, mas não perdia a piada. Hoje nem temos mais amigos e muito menos o bom humor pra suportar tanta incompetência, tanta imbecilidade...

O jornalista Joelmir Betting há mais de 40 anos, dizia que inflação é quando os preços sobem pelo elevador, enquanto os salários sobem pela escada. Ou seja, é quando o governo provoca a carestia e imprime dinheiro pra continuar pagando despesas, e desvaloriza a moeda. O governo ganha com isso, os bancos e o mercado financeiro ganham dinheiro com isso, e perdem os trabalhadores, que pagam a conta. Quando o dinheiro do salário acaba, ainda tem mês correndo...

Pior ainda para os aposentados. O Estado brasileiro é muito injusto para com seus cidadãos, ou melhor, é perverso, para dizer o mínimo.

 

 

 

.

domingo, 5 de junho de 2022

O Prêmio Nobel Ivar Giaever humilhou o “aquecimento global” no Council for the Lindau Nobel Laureate Meeting, em julho 2015.

Richard Jakubaszko  
Muitos cientistas de importância internacional, como Ivar Giaever, Prêmio Nobel de Física, norueguês-americano, criticam a mentira do século XXI, Na palestra abaixo, no encontro de laureados, em 2015, ele fez inúmeras críticas referentes ao tema, contrariando outra mentira apregoada pela mídia internacional, a de que há um consenso entre mais de 97% dos cientistas de que existe o aquecimento global, e que ele é antropogênico.

Assista ao vídeo com a palestra de
Ivar Giaever, há críticas fortes, em que ele chama os responsáveis do IPCC e a mídia de ridículos, mentirosos, mal informados, engajados etc. e etc.

No rodapé do vídeo vc pode ajustar legendas no idioma que desejar.
    

 

.

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Gente, tá faltando CO2 no mercado! Agora a Nasa vem...

Richard Jakubaszko  

Inimaginável, né não? Agora tá faltando CO2 no mercado! Será que a Nasa agora vem? Olha só aí embaixo, a Afrebras denuncia, e reproduzo quase na íntegra o press release que recebi:


Indústrias de refrigerantes param produção por falta de CO²

A Afrebras – Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil acusa fornecedora de CO² -
White Martins - de entregar a matéria prima somente para grandes empresas.

A seletividade na entrega de CO2 — um dos principais insumos na produção de refrigerante – paralisou a produção de diversas fábricas regionais de bebidas nos últimos meses. Empresas acusam a maior fornecedora de CO² da América Latina - White Martins, de selecionar clientes para a entrega da matéria prima.

As reclamações chegaram até o deputado federal do Paraná Enio Verri, que protocolou, no último dia 19 de maio, junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), um pedido de abertura de inquérito contra a White Martins para investigar crimes contra a ordem econômica.

A denúncia protocolada por Verri levanta ao menos três infrações previstas na Lei n. 12.529/2011 — que a White Martins ao abusar da posição dominante que detém gerou distorções na ordem econômica. Um dos documentos que constam na denúncia comprova que a White Martins forneceu sem cessar a matéria prima para a Coca-Cola, empresa líder no mercado de refrigerantes, e interrompeu o fornecimento de forma seletiva a pequenas empresas do setor.

Conforme o deputado, ao discriminar o fornecimento de CO2 para algumas empresas em detrimento de outras, a White Martins fere os interesses da coletividade, impede o público consumidor de ter acesso a uma maior diversidade de produtos no mercado, possibilita a manipulação de preços ao consumidor final e viola as garantias constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência. “É importante para a iniciativa privada que todas as empresas sejam tratadas de forma igualitária”, afirmou Verri.

A Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), que representa mais de 100 indústrias regionais, endossa a denúncia do deputado paranaense. De acordo com relatos de alguns empresários, o presidente da Afrebras, Fernando Rodrigues de Bairros conta que indústrias com contrato de exclusividade com a White Martins foram abandonadas pelo seu único fornecedor. “No entanto esse único fornecedor —White Martins —, não tratou todos os seus clientes de forma igual ao fornecer o CO2 somente para a Coca-Cola”, aponta Bairros.

Com a denúncia junto ao CADE, as indústrias do setor de bebidas aguardam que o órgão investigue as infrações administrativas que incorrem em possíveis crimes econômicos praticados pela White Martins.

Comentários do blogueiro:
O Ministério da Agricultura tem um programa chamado de "Agricultura Carbono Zero", será que foi esse programa que acabou com o CO2 da White Martins? Os cientistas precisam debater e discutir mais essas mentiras científicas.

O que foi que criou essa "imbecilidade científica" (imbecilidade é termo médico que qualifica um adulto que pensa como criança de 10 anos) dos técnicos do MAPA? É muito pretensioso esse programa querer fazer "Agricultura Carbono Zero", quando se sabe que a natureza (vulcões, algas, matéria orgânica em decomposição) emite 97% do CO2, enquanto que apenas 3% do CO2 da nossa atmosfera vem das atividades humanas (criação de gado ruminante, plantio de arroz irrigado, automóveis, fábricas, navios, aviões). Denuncio isso em meu livro "CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?"

Meu livro está em 3ª edição, e resolvi partir agora para a crítica ácida e humorística, até mesmo com ironia e deboche, dos técnicos e autodenominados cientistas que acreditam no aquecimento global antropogênico, ou de que as "mudanças climáticas" vão causar esse aquecimento, provocar aumento do nível dos mares, e outras imbecilidades e imprecisões científicas.


 

sábado, 28 de maio de 2022

Vaticano revela nova ‘Tábua da Lei’, não contra o pecado, mas contra a mudança climática

Luis Dufaur *

Jeffrey Sachs e Papa Francisco I apresentaram as Novas Tábuas da Lei da religião ecologista
Jeffrey Sachs e Papa Francisco I apresentaram as
Novas Tábuas da Lei da religião ecologista
 

O Vaticano apresentou os 10 Mandamentos contra a Mudança Climática: não construirás mais usinas de carvão; não prospectarás mais petróleo ou gás; não cometerás 'fracking'; paralisarás todos os novos oleodutos ou gasodutos; não desmatarás; só usarás carros elétricos; não consumirás carne (exceto insetos); não investirás em 'gases de efeito estufa'; processarás as petrolíferas e só usarás energias renováveis, segundo resumiu “Infovaticana”.

O Moisés portador das Tábuas da Nova Lei é o economista Jeffrey Sachs, autodenominado “líder global em desenvolvimento sustentável”.

Ele desceu do novo Sinai onde se reuniu a nova deidade reveladora: a Conferência Internacional sobre Mudança Climática, Saúde do Planeta e Futuro da Humanidade', no topo do Monte Vaticano sob os auspícios da Pontifícia Academia de Ciências, presidida pelo arcebispo Marcelo Sánchez Sorondo.

O fiel católico achou durante dois milênios que o 'futuro da humanidade' é, em última análise, o Céu ou o Inferno por toda a eternidade, e que o planeta, vai a desaparecer no Fim do Mundo.

Se julgamos pela nova religião verde tudo teria sido errado, e o Espírito Santo que inspirou as Escrituras errou feio.

Agora se deve pensar na vida eterna do planeta, ou quase tanto.

É aterrorizante ver a liderança eclesial aplaudindo um 'programa' que exige uma brutal tirania e uma redução sem precedentes da liberdade dos Filhos de Deus que a Igreja deve libertar da tirania do mundo, comentou “Infovaticana”.

Para maior contradição, o planeta está na melhor condição alimentar de sua história.

A Nova Lei se baseia numa teoria desesperadamente nebulosa.

Extremistas ambientalistas manifestam-se contra usinas nucleares

Se a famosa 'mudança climática' existe não é como diz a casta sacerdotal verde dos cientistas da ONU: as ilhas não desaparecem, não há fomes devastadoras, as calotas polares não derretem e os ursos brancos se multiplicam com excelente saúde.

Nem mesmo se sabe se a atividade humana é a causa das mudanças existentes no planeta, até nas formas extremas, muito antes de o homem aparecer.

Então, os sacrifícios extremos propostos pelos organismos internacionais bem que poderiam ser inúteis e a Nova Lei não viria ao caso.

O controle requereria apertos ditatoriais de tipo putinista para mudar os hábitos de toda a humanidade mergulhando-a numa escravidão devastadora.

O entusiasmo da hierarquia católica e sua perfeita adaptação ao que buscam os grandes deste mundo faz desconfiar.

As admoestações dos Evangelhos sobre o conflito dos discípulos de Cristo com os do mundo são avassaladoras: “Se o mundo te odeia, saiba que ele me odiou primeiro” é apenas uma das muitas.

Isso indica uma oposição essencial entre Cristo e o mundo.

Pela Nova Lei se trata da Igreja se submeter ao discurso do século, numa matéria em que a Igreja deve ficar cautelosamente fora.

A Nova Lei teria algum sentido se se fundasse em fatos inegáveis e bons; se o diagnóstico fosse preciso e indubitável, o governo mundial e a brutal cerceamento das liberdades individuais indispensável.

Mas é desconcertante que uma instituição cuja prioridade é a salvação das almas dedique tanta energia, tempo e, no caso do Papa, veemência, em assuntos perecíveis sobre os quais ele não é especialista e dos quais não se espera que tenha mais conhecimento do que o homem comum.

A humanidade enfrenta a terrível crise do abandono de Cristo, a apostasia maciça, especialmente no Ocidente cristão, enquanto testemunhamos escândalos maciços que aceleram a descristianização dentro da própria Cúria vaticana.

Que Roma alerte sobre o meio ambiente e silencie sobre o que diz respeito à salvação das almas é, no mínimo, profundamente preocupante, exceção feita no inferno.

* Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs.
Publicado original em https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/2022/04/vaticano-revela-nova-tabua-da-lei-nao.html

 

 

.

terça-feira, 24 de maio de 2022

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde sem noção de nada...

Richard Jakubaszko     
Sendo o 4º ministro da Saúde do (des)governo de Jair Bolsonaro, o indigitado esteve na reunião da OMS - Organização Mundial da Saúde, em Genebra, ontem, 23 de maio. Pra variar, só falou bobagem, contou mentiras e omitiu verdades.

Marcelo Queiroga, comemorou (???) os resultados da política de combate à pandemia e disse que uma das prioridades do (des)governo do presidente Bolsonaro (PL) foi lutar contra a corrupção no seu setor. As declarações aconteceram durante a Assembleia Mundial da Saúde. Ou seja, o sem noção do ministro foi fazer campanha política pra Bolsonaro numa assembleia da ONU...

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde) revelou que a crise da pandemia de covid-19 “está longe de terminar”. Queiroga, porém, não fez nenhuma referencia às mensagens passadas pela organização.

O Brasil é o segundo país com o maior número de mortes do mundo desde o começo da pandemia - quase 670 mil vítimas, e perde apenas para os EUA.

O ministro da Saúde foi até a reunião da OMS para tentar desfazer a imagem de representar um governo negacionista.

Para o leitor do blog ter uma pequena ideia das barbaridades cometidas por Queiroga na Assembleia da ONU:

Brasil: 670 mil mortes no total de 30,8 milhões de contaminados
Índia: 524 mil mortes no total de 43,1 milhões de contaminados
França: 148 mil mortes no total de 29,4 milhões de contaminados
Itália: 166 mil mortes no total de 17,2 milhões de contaminados

Percebe o leitor a proporção de contaminados e números de mortes? Com o (des)governo Bolsonaro somos recordistas mundiais do descaso! Somos campeões da corrupção, campeões de incompetência. Até mesmo na Índia, com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, tiveram muito menos mortes do que no Brasil, apesar de terem 40% de gente contaminada a mais! A comparação de França com o Brasil é uma vergonha, para quase o mesmo número de contaminados, tivemos 4,5 vezes mais mortes! 

O pior cego é aquele que não quer ver.

Brasileiros: a covid-9 é uma avant premiére do que vai acontecer no Brasil se a varíola dos macacos chegar por aqui...


.


 

sábado, 21 de maio de 2022

Blog segue no rumo de 4 milhões de visitas

Richard Jakubaszko  
Jamais poderia imaginar, há 15 anos, que atingiria 3,456 milhões de visitantes aqui no blog, como atingido hoje, neste número bonito sequencial de 3456789, e que em breve será de 4 milhões de clicks, provavelmente a ser comemorado no próximo ano.

 

.

  

quinta-feira, 19 de maio de 2022

Saiu a 3ª edição do livro CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?

Richard Jakubaszko 

Sem pompa e circunstância, e nem fogos de artifício, saiu de gráfica neste mês de maio a 3ª edição do livro "CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?". Por si só isso já é uma alegria, considerando que um livro ser publicado no Brasil já é algo extraordinário, e mais ainda quando o mesmo tenha uma 2ª edição, imagine então chegar à 3ª edição.

Há muito a ser conquistado, entretanto. A proposta inicial na primeira edição (em 2015) foi a de provocar um debate nacional entre cientistas. Isso não aconteceu, mas provocou um certo ti-ti-ti entre muita gente, dentro e fora dos meios científicos.

Em 2019 a 2ª edição foi ampliada e revisada, e provocou alguns debates, ainda restritos a certos segmentos, mas ainda insuficientes para despertar interesse da grande mídia. Mas já havia a presença forte da Amazon.com na venda online do exemplar físico e impresso do livro. Mais de meia centena de leitores do livro atribuíram notas de 4 e 5 estrelas ao conteúdo do livro, que anda com 4,5 estrelas na média de avaliação, dentro de um máximo de 5, fato extraordinário, considerando o lado polêmico do livro de qualificar a questão do aquecimento como "a maior mentira do século XXI". Agora saiu a 3ª edição, com 410 páginas (a 1ª edição teve 288 pg, a segunda chegou a 380 pg). Alguns capítulos foram repetidos, mas quase todos foram atualizados, muitos foram deixados de lado, e novos foram acrescentados.

Assim, o professor e Dr Luiz Carlos Baldicero Molion atualizou alguns capítulos, e manteve a hipótese de apontar causas do El Niño e La Niña como causadores de secas e enchentes. E ainda escreveu um novo capítulo onde prevê invernos muito mais frios nos próximos 15 anos, nos dois hemisférios do planeta, o Sul e o Norte.

O biólogo Jamil Soni Neto, jovem observador da biodiversidade, recorre a teorias e hipóteses de grandes monstros internacionais da biologia para afirmar que as previsões aterrorizantes dos ambientalistas de reduções drásticas da biodiversidade não é assunto sério ou que preocupe aos cientistas da biologia. Ou seja, a mudança na biodiversidade está fora de perigo, afirma ele.

Outro técnico novo que comparece no livro é o experiente engenheiro agrônomo e pecuarista Eduardo Penteado Cardoso, que escreveu o bem humorado capítulo intitulado "e o boi está virando bode", para explicar e comprovar que a acusação contra o boi, da emissão de metano, é muito mal engendrada, se é que o leitor me entende.

Tenho vários novos capítulos na 3ª edição, sendo o principal a denúncia contra o grupo que é o maior financiador da mentira do aquecimento, responsável pelo assassinato de reputação do CO2, e que são os construtores de usinas nucleares. No capítulo "Fukushima (e Chernobyl), a maior imbecilidade humana de todos os tempos" mostro as terríveis consequências, com fotos, dos dois conhecidos acidentes que tiveram vazamentos de radioatividade.

O livro ainda tem muitas outras novidades, como o posfácio do amigo Roberto Rodrigues, engenheiro agrônomo e professor aposentado da UNESP, ex-ministro da agricultura no primeiro governo de Lula, e que, como acadêmico, sugere um debate entre os cientistas sobre a proposta do livro. A necessidade é debater o assunto, pois hoje em dia há muito mais censura prévia do que debate. O patrulhamento exercido nas redes sociais e na mídia em geral, é o de calar os céticos como eu e outros cientistas, acusados que somos de sermos negacionistas, como se a gente negasse a eficiência das vacinas, ou porque eles acham que consideramos que a terra é plana, o que são acusações infantis de gente que não conhece ciência. Tenho afirmado, com toda a convicção, que "onde todos pensam igual, é porque ninguém está pensando" (Walter Lippmann), então, está na hora de fazermos um debate a sério, colocando um basta nas ameaças de que o fim do mundo está próximo, ou de que resta pouco tempo para salvarmos o planeta e a humanidade, pois é a última oportunidade.

Qual é o cientista que se mostra com coragem de debater esse assunto para esclarecer a sociedade, e reduzir o estresse da nossa juventude, que hoje em dia perdeu a esperança em tudo? Poucos cientistas, mas são desacreditados e difamados, pela mídia e pelos ambientalistas, os donos da verdade no mundo contemporâneo. Ninguém acredita em mais nada. Hannah Arendt escreveu que "Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança. Em nome de interesses pessoais, muitos abdicam do pensamento crítico, engolem abusos e sorriem para quem desprezam. Abdicar de pensar também é crime. Além de ser omissão.

Para os interessados em adquirir e ler o livro, enviem mensagem ao e-mail co2clima@gmail.com que informaremos procedimentos para depósito de compra do livro e recebimento de exemplar autografado pelo autor. O livro custa R$ 50,00 incluso as despesas de postagem para qualquer ponto do Brasil.


.



terça-feira, 17 de maio de 2022

O Agronegócio brasileiro no mundo

Richard Jakubaszko  
Recebi do amigo Eduardo Daher, diretor-executivo da ABAG - Associação Brasileira do Agronegócio, o gráfico abaixo, cuja leitura demonstra a importância do Brasil na produção de alimentos no mundo. É importante ressaltar que a fome continua sendo um dos 4 Cavaleiros do Apocalipse.

Os quatro cavaleiros do apocalipse são, respectivamente, peste, guerra, fome e morte, que, para os cristãos, irão acontecer antes do fim de todas as coisas, na visão do apóstolo João.  




.