quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Hóspede inesperado

Richard Jakubaszko

Apareceu de repente e se instalou em minha casa, mesmo sem ter sido formal ou informalmente convidado. Ainda não sei seu nome, nem sei é macho ou fêmea, até porque isso não é o importante na história, apenas é um simples hóspede totalmente inesperado e inusitado.

No primeiro dia em que o vi estava cabisbaixo, com olhos tristes, caidinho, e notei que arrastava a asa esquerda quando caminhava. Confidenciei a meus botões que o pombo instalado em meu florido jardim estava com a asa quebrada e preparava-se para morrer. Destino inevitável de todos os seres vivos. Pois assim é a vida.

O instinto fez com que o pombo procurasse um refúgio seguro no jardim daqui de casa, em meio a roseiras, azaleias, alamandras, primaveras, comigo-ninguém-pode, pimentas, palmeirinhas, flores silvestres e outras espécies da nossa flora, das quais nem sei o nome. Pois o pombo estava tentando evitar os ataques noturnos dos gatos, habitantes contumazes tanto do bairro do Bixiga como de certo de todos os bairros da cidade. Na impossibilidade de voar e ir instalar-se no telhado de alguma casa, teve de mudar seus hábitos e estabeleceu ninho residente provisório onde lhe foi possível e onde achou que seria mais seguro.

No primeiro dia coloquei uma tigela com água e outra com pão picado.
No dia seguinte, logo cedinho, abri a porta da rua e dei bom dia ao pombo, recebendo a interatividade de um olhar vivo e interessado, mas sem receios. Um olhar dócil e meigo, porém atento aos meus movimentos. Ficamos nos olhando por alguns momentos. Ele sentado confortavelmente e eu o tratando com a intimidade e reverência de um hóspede bem-vindo, apesar de inesperado.

A tigela de água estava emborcada, assim como a de comida. O local já mostrava pontos de sujeiras típicas de pombos atrevidos, mesmo sendo hóspede inesperado e não-convidado. Providenciei mais água e coloquei um pedaço de maçã e pão. No dia seguinte a decepção: nem foram consumidos, pois o pombo saiu de novo, talvez para passear, foi dar um rolê, sacou? A pé, evidentemente, puxando a asa, meio desengonçado, já que voar não faz parte, temporariamente, de suas possibilidades. Mas andava sem dificuldades, o pescoço mexendo-se pra frente e pra trás, como anda todo pombo que se preze.

À noite, quando cheguei em casa, ele já estava lá, confortavelmente aboletado e encolhido em seu cantinho, atrás do vaso de imensas espadas de São Jorge, com quase metro e setenta de altura.

O hóspede e visitante, já faz uma semana isso, mantém hábitos regulares, durante o dia sai para passear e explorar os arredores – com sua asa arrastando –, à noite retorna. Provavelmente sonha com plena recuperação, na expectativa de voltar a voar e poder ir dormir em locais mais altos e seguros, longe dos gatos do Bixiga.

Não tenho nem ideia de quanto tempo vai durar isso. Se ele (ou ela) fica bem e volta a voar, ou se um gato o descobre antes disso.

Por enquanto é um simples e simpático hóspede inesperado, apesar de muito bagunceiro. Há ainda uma coisa interessante e inteligente, ele não arrulha, é tremendamente silencioso, talvez tenha receios de denunciar seu estratégico esconderijo aos gatos do Bixiga. Quem sabe? Pode ser uma artimanha de pombo inteligente.

Nota: na primeira semana de março, inesperadamente, o hóspede sumiu. Sua asa ainda não estava recuperada. Na manhã da partida, trocamos a tigela com ração do pombo, e mais a da água, mas 3 ou 4 insólitas penas de pombo rolavam no chão pelos arredores de seu local de dormida. Um gato o encontrou, conforme previsto? Difícil saber. Se assim ocorreu, houve um trabalho limpo, profissional. Foi-se, e ficamos na "saudade", sua ausência preenchendo uma lacuna. Minha mulher pegou gosto, passou a dar ração a alguns pombos do pedaço. Diariamente 3 casais de pombos chegam em nosso jardim para procurar almoço e jantar, além de um casal de pombinha rola. Fazem uma festa!
_

2 comentários:

  1. Muito legal, Richard. O pombo e os gatos do Bixiga. Só faltou uma foto dele (ou dela).

    ResponderExcluir
  2. Gente, olha as sutilezas e ironias da vida, aí na aba deste blog, nos anúncios do Google, tem um anúncio vendendo tinta repelente pra pombo...

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.