sábado, 14 de janeiro de 2012

Inesquecíveis canções XVII: Edith Piaf.

Richard Jakubaszko
A pequena (mignon) Edith Piaf (1915-1963) reinou na sua França e no mundo, nos anos 1930 a 1960. Algumas de suas geniais interpretações são inigualáveis, marcas registradas da paixão, da emoção e do talento. Aos jovens e contemporâneos as letras podem parecer piegas, mas esse era o tom e o clima da época. Piaf teve uma dramática história de vida, desde criança, e, quando adulta, cheia de amores erráticos, alguns trágicos. Daí, a baixinha era um nervo exposto... 
Piaf é um apelido (seu sobrenome era Gassion), coloquial e simpático aos pardais cantores, e que significa "pequeno pardal".
Edith Piaf morreu com 48 anos, após sofrer muitos anos com uma artrite infecciosa, que a obrigava a tornar morfina. Está sepultada no mais célebre cemitério parisiense, o Père-Lachaise. Seu funeral foi acompanhado por uma multidão poucas vezes vista na capital francesa. Hoje, o seu túmulo é um dos mais visitados por turistas do mundo inteiro.
Como curiosidade: Charles Aznavour foi seu secretário, assistente, chofer e confidente, lá nos anos 1950.
  
Non, Je ne regrette rien



Hino ao amor (Hymne à l'Amour) - (legendado)



La vie en Rose (legendado)

 _

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.