sábado, 22 de agosto de 2015

livro CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando, sim!

Richard Jakubaszko
Fui entrevistado por Otávio Ceschi Júnior, apresentador do programa Dia a dia Rural, do Canal TerraViva, da BandNews, nesta semana, e suspeito ter deixado o Otavinho surpreso com tanta ênfase aplicada nas respostas sobre o suposto aquecimento e nas explicações sobre o conteúdo do livro "CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?". Por ser TV, e apesar de terem sido 12 minutos de entrevista, o que é muito tempo em TV, dá para se considerar como uma amostra grátis do conteúdo do livro.

Assista o vídeo, abaixo, e saiba que a sua forma de participar do debate é ler o livro e tomar conhecimento das denúncias feitas. O CO2 é o gás da vida, sem ele não existiriam as plantas, e sem elas os humanos e animais não teriam alimentos para sobreviver, pense nisso!
O livro não está à venda em livrarias, apenas pela internet, através do e-mail co2clima@gmail.com ou pelo fone 11 3879.7099 - custa R$ 40,00 mais despesas postais.
Experimentalmente estamos colocando exemplares do livro à venda em bancas de jornais na capital, em São Paulo.

O livro foi censurado por uma editora de universidade, tem sido censurado pela grande mídia, que não publica uma única nota de divulgação da obra, e pela omissão de um gigantesco número de pessoas, que olham o trabalho como se fosse uma extravagância pitoresca de um jornalista, ou como se não fosse um assunto importante para a vida delas. Isso é tão ruim como a censura direta.
Mas o livro tem sido vendido a uma minoria de pessoas, gente que se recusa a aceitar mentiras impostas por interesses excusos.

Uma observação importante: cometi um erro, culpa do fato de ser um programa ao vivo, onde não se pode cometer erros, mas acaba se cometendo. Quando explico a origem da emissão de gases de efeito estuda (GEE), afirmo que 97% dos GEE são feitos pela "ciência", e este foi o erro, eu queria dizer, na verdade, que são emitidos pela natureza, e que esta não pode ser controlada por nós humanos. Perdoem-me o ato falho.

.

8 comentários:

  1. Ronaldo Argento Pestriz23 de agosto de 2015 17:00

    Boa entrevista, Richard. Já comprei o livro, vou ler e depois faço comentários, mas tenho certeza de que, vindo de você, tem conteúdo. Lamentável que as pessoas não queiram saber o quantoestão sendo enganadas.
    Ronaldo

    ResponderExcluir
  2. Luiz Fernando Ferraz de Siqueira, Dourados - MS24 de agosto de 2015 11:57

    Caro Amigo, bom dia.
    Vi a reportagem agora e mais uma vez o parabenizo.
    Inteligência, coragem e visão para a vida, são pouquíssimos que têm.
    Não sou um desses, mas fico feliz em poder estar com você, que é desse seleto time, e comungar das coisas que realmente importam a sociedade.
    Forte abraço.
    Luiz Fernando Ferraz de Siqueira
    Diretor Agrícola
    Usina São Fernando

    ResponderExcluir
  3. O livro também está à venda no sitio da Scot Consultoria. www.scotconsultoria.com.br.

    ResponderExcluir
  4. Alysson Paolinelli24 de agosto de 2015 20:11

    Caro Amigo Richard,
    Parabéns pela entrevista e pelo Livro. Espero que muitos venham lhes dar razão e que seja a tempo. Alysson Paolinelli

    ResponderExcluir
  5. Caro Richard
    A registrar:
    Dias atrás em entrevista na TV, nosso ministro da Fazenda abordou teses ambientais, destacando-se:
    -A prioridade dada à Petrobras para gás natural se justifica porque a queima do gás é mais limpa do que a do óleo combustível;
    -Arborizar o Vale do Paraíba (reflorestamento, etc.) viria beneficiar as condições ambientais locais.
    Comentário:
    1-Quanto à emissão de CO2 ha pouca diferença entre gás ou óleo.
    2-Quanto aos benefícios do florestamento, cumpre lembrar que na tromba d´água em Teresópolis, os deslizamentos foram mais frequentes nas encostas recobertas de mata do que quando recobertas por capins (pastagem), conforme observações feitas por um residente local a meu pedido. É explicável: a terra sob a mata encharca-se mais facilmente, com perda de coesão (ponto de ruptura) do solo. Nas encostas de pastagem a enxurrada escorre com facilidade, encharcando menos o solo, ou mais lentamente. Os grandes taludes são muitas vezes impermeabilizados para reduzir a penetração da água das chuvas com suas consequências.
    É o que me ocorre comentar ao autor de corajoso livro sobre teses e preconceitos ambientais.
    Grande abraço
    FC

    ResponderExcluir
  6. Vindo de um jornalista especializado em agricultura é de se esperar tamanha falta de informação. Conspirações baratas são comuns, mas nesse caso você está atingindo uma massa de leitores com pouco conhecimento, levando os a duvidar do fato que é o aquecimento global. É natural que quando nos vem a ideia de um grande cataclismo climático causado por nós, vamos nos render ao vitimismo, indo tão a fundo ao passo de chegar a contrariar com todas as letras as mudanças climáticas. Acho que um cara como você, que mal sabe o que é ciência, não tem sequer moral para ir contra tantos estudos que comprovam o aquecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao comentarista que usa o pseudônimo de Via Láctea:
      Apesar de, por norma, não publicar comentários de anônimos, publiquei seu comentário. Mas, para mim, vc continua sendo um anônimo, pois não se identifica. Seus posts, em seu blog, são anônimos e sem data, e, por isso, fica difícil identificar se vc é um estudante que se enche de coragem atrás de um anonimato, ou um profissional covarde que não tem coragem de assinar debaixo do que escreve.
      Antes de tudo, seja em ciência, ou qualquer outra coisa na vida, aprenda que debater é trocar ideias, é descontruir ideias e argumentos., sem que haja a necessidade de tentar desqualificar o oponente de ideias diferentes das suas. Isso é grosseiro, e de má educação, seja feito por um estudante ou por profissional de qualquer área. Mas vamos ao debate de suas colocações:
      Percebi que há presunção e preconceito seu contra jornalistas especializados em agricultura, estou certo? Onde está a “tamanha” falta de informação? Você leu uma sinopse, um press release sobre o livro, depois assistiu uma entrevista de alguns minutos, não gostou, e, claro, não concordou com o livro, a começar pelo título. Não leu o livro, portanto, prejulgou, preconceituosamente, não é? Mas tem todo o direito, estamos numa democracia.
      Suas conclusões, de que eu mal sei o que é ciência, lamento informar-lhe, estão equivocadas. Convivo com cientistas o tempo inteiro, em minhas atividades jornalísticas. No livro, tenho a companhia de, pelo menos, uns 10 cientistas de renome internacional, que assinaram capítulos do livro, um dos quais foi signatário do IV Relatório do IPCC (2007), mas deixou de ser, porque não concordava com os métodos empregados pelo IPCC, órgão no qual vc deposita fé inabalável. Portanto, mais um lamentável escorregão de sua agressividade cheia de ciência.
      “Moral”, também lamento informar-lhe, tenho sim, adquirida em mais de 50 anos de jornalismo técnico, e também científico, para ir contra “tantos estudos que comprovam o aquecimento”. Fica, entretanto, uma indagação ornitológica, sobre a moral: o que o urubu tem ver com as garças?
      Por isso, faço-lhe o desafio, senhor perdido na via Láctea, de todos esses estudos que comprovam o aquecimento, me informe apena UM... Pode mandar o link, publico o link aqui no blog, leio o estudo, e comento crítica e honestamente o tema abordado do estudo.
      Não esqueça, criatura que terceirizou as suas próprias ideias, mande apenas UMA COMPROVAÇÃO CIENTÍFICA. As demais serão desnecessárias...
      Mas leia o livro antes, porque você vai cair do seu burrico galáctico. E assine com seu nome verdadeiro, não um apelido.
      Richard Jakubaszko

      Excluir
  7. Quando todos pensam igual, é porque ninguém está pensando. - Walter Lippman.
    Além disso, como sentenciou Nelson Rodrigues, "toda unanimidade é burra".
    A ciência tem que ser crítica e o jornalismo mais ainda. Parabéns Richard pela obra e pela coragem de mostrar o outro lado.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.