quinta-feira, 21 de maio de 2009

Tudo o que a gente queria ser

Richard Jakubaszko 
Sem medo de errar é possível afirmar que antigamente a gente quando ainda era bem jovem queria ser alguma coisa em nossa futura vida de adultos, e a nossa intenção era mudar o mundo. Na juventude a gente quer mudar tudo, consertar os problemas e o que está errado. Chama-se a isto de ideal, na maioria das vezes. 

Quando a gente amadurece vai podando os exageros e arroubos da inexperiência, na forma de como queríamos fazer esses ajustes, mas o ideal de ser, de aprender, de saber, este permanece para sempre. A gente nunca cansa de aprender. Como cantam e declamam os poetas, o viver é um aprendizado permanente. Nesse sentido, o importante seria a trajetória, a caminhada que é a vida, e não o chegar lá, nalgum lugar ou situação, imaginário e desejado. O divertido é a viagem e não o chegar ao destino final. 

Pensando nessas questões cheguei à conclusão que as últimas gerações de jovens, muitos deles já adultos hoje em dia, mas já a partir da década dos anos setenta e oitenta, esqueceram o ideal de querer ser, de saber, de conhecer o mundo, e trocaram pelo ter. Ter o automóvel, ter um notebook, um celular, um cargo, ter roupas de grife, ter objetos que os tornam diferentes e “superiores” a outros, apesar de torná-los iguais a uma minoria. Minoria privilegiada, evidentemente. 

É verdade que a velocidade e o tamanho do conhecimento humano assumiu proporções absurdas, e ficou cada vez mais difícil ser e saber sobre o todo. Temos versões parciais, os chamados especialistas, e raros generalistas. As novas tecnologias, as "novidades" da informática, desconstruíram o saber, e entende-se – ou convencionou-se – que conhecer a novidade tecnológica é mais importante para arrumar um emprego do que o saber verdadeiro. Mas a ideologia do ter continua, e é um massacre, para não dizer que é apenas perversa. 

A TV, a mídia de uma forma geral, inclusive cinema, estimula o ter, desafiam a todos para o consumismo. Se você não tem é porque não é, e não vale nada aos olhos dos outros, não tem valor. Volta e meia, em contatos profissionais, alguém me pede o número do meu celular. Respondo de forma educada que não sou um ET, mas causo indisfarçáveis espantos generalizados ao informar que não uso e não gosto dessa geringonça, verdadeira máquina de fabricar neuróticos nos processos de comunicação. Uso, eventual e raramente, um celular corporativo, quando estou a trabalho da empresa e em viagem. Devolvo aliviado, pondo fim a um pesadelo quando a viagem termina. 

Usei um na Agrishow, em abril último (moderno, xique-no-úrtimo), levei-o não pelo fato de ser celular, mas por ser também máquina fotográfica digital, pois tira fotos em alta resolução. Mais parece um pato, ou melhor, o pato é ave e põe ovos, mas não voa. Sabe nadar, mas não é peixe, ou seja, não faz nada bem feito. Em raros momentos consegui fazer ou receber ligações com o celular, e me explicaram que se devia à altíssima concentração de celulares por metro quadrado no espaço da feira. 

Nas poucas vezes que usei o tal objeto de desejo ouvi manifestações do tipo "pô, que legal, é iPod?, óh!, que legal, tampa deslizante, nossa... , quanto custa esse?, posso ver?". 

É, a mídia massacra, a publicidade estimula o ter, e os que nada conseguem se frustram, se tornam impotentes. Daí que, para que uma geração pudesse ultrapassar a fase do ser para a fase do ter foi um pulo. Apesar do que o mundo sempre foi assim, não nos esqueçamos. Mas, para sair da fase do ter foi um passo menor ainda, pois as crises dificultam cada vez mais o ter, pela falta do emprego, pela redução dos salários, e aí se entrou na fase do "aparentar", aparentar que se é algo, aparentar que se tem alguma coisa. 

Com as crises sucessivas, e para facilitar aos consumidores que continuem consumindo, o mercado vendedor financia carros em 72 meses. Quando o sujeito termina de pagar, 6 anos depois, pagou de 2 e ½ a 3 carros em forma de juros, e terá um carro velho e quase sem valor. Se desejar atualizar a novidade a cada 2 anos, a despesa com juros vai para a estratosfera. 

Atualmente, até aparentar que se tem é difícil. O que gera multidões de frustrados, angustiados e neuróticos. A maioria com altíssimas dívidas nos cartões de crédito e no cheque especial. Se tivéssemos um indicador social de felicidade humana que fosse aceito por todos, não seria difícil medir esse índice de (in) felicidade. A questão é que muitas vezes a gente nem percebe, mas existem esses indicadores, chamam-se tóxicos, alguns legalizados, e outros não, pois há bebida alcoólica, crack, cocaína, maconha, LSD, Viagra (porque impotentes), ansiolíticos, calmantes, Prozacs, estes últimos legalizados e a maconha, agora a pedidos e por passeatas, por legalizar, etc. e etc. E muita neurose. 

ET. O texto de Facundo Cabral, que postei logo a seguir, neste blog, “Uma reflexão extraordinária”, de certa forma mostra o outro lado dessa questão, que também é humano. No meu texto fiz uma análise mais “sociológica”, e também sem a interferência de fatores ideológicos ou políticos.
_

Um comentário:

  1. Recebi por e-mail:
    Olá Richard!
    O consumismo excessivo acaba alterando o valor mais precioso que é a possibilidade de enxergar no outro uma riqueza maior que, com certeza, está na essência interior de cada um de nós.
    Abs.
    Marlene Orlovas

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.