segunda-feira, 11 de abril de 2011

Código Florestal: Consenso ou bom senso?

Roberto Rodrigues *
A frase adotada pelo emocionante movimento que reuniu milhares de produtores rurais em Brasília, nesta semana, expressa uma verdade inconteste: A mão que planta é a mesma que preserva.

Ninguém melhor do que aquele que da terra tira seu sustento com dignidade para saber a importância da conservação dos recursos naturais, alicerce da produção: sem cuidar disso, o produtor rural perde até seu patrimônio, a própria terra.

A agricultura está refém da medida provisória nº 2.166, que, desde 1996, vigora com força de lei sobre a Reserva Legal, sem nunca ter sido votada. O Brasil ganhou muito com a recente discussão do novo Código Florestal, pois o tema passou a fazer parte da vida da sociedade brasileira. A população já associa o prato de arroz de todos os dias com uma lavoura que depende do cultivo na várzea, e entende a necessidade de um marco legal regulador.

Mas, em um país com tanta diversidade como o nosso, a legislação não deve ser produzida apenas pela União. Cada um dos Estados pode regulamentar o uso e a proteção de seu território de acordo com seu histórico de ocupação, características culturais, sociais e econômicas.

Da mesma forma, é inadmissível que atos praticados de acordo com a legislação vigente em qualquer tempo sejam hoje objeto de questionamento e passíveis de punição. É preciso que haja segurança jurídica para que o nosso país seja respeitado em um mundo demandante de alimentos, de energia e de fibras. O Brasil megadiverso fez sua lição de casa: aumentou a produtividade agrícola conservando ainda aproximadamente 69% de sua área coberta por vegetação nativa, de acordo com a Embrapa.

Projeções da FAO apontam para a necessidade de aumento na produção de alimentos da ordem de 70% até 2050, cabendo ao Brasil uma parcela importante dessa oferta, em virtude de nossa área disponível, de água, de recursos humanos e de tecnologia. O pioneirismo na área de energia renovável e boas práticas agrícolas, além de uma nova consciência de respeito à natureza, dão ao Brasil uma posição de vanguarda e aptidão para surfar na onda da economia verde.

O grande desafio está em desenvolver instrumentos capazes de aliar a produção e o uso dos recursos naturais à conservação do ambiente. Para isso, uma legislação clara é fundamental. A conformidade com a lei é premissa básica para a obtenção de crédito, de licenciamento, de certificações e de acesso a mercados. Além disso, a biodiversidade brasileira está entrando no negócio de pagamento por serviços ambientais prestados à humanidade.

O novo Código Florestal é, portanto, uma necessidade para o país. Só assim o setor rural poderá trabalhar com tranquilidade, dentro da legalidade.

Depois de um longo debate conduzido pelo deputado Aldo Rebelo, relator do projeto, com dezenas de audiências públicas pelo país, o presidente da Câmara dos Deputados, Marcos Maia, criou uma Câmara de Conciliação para buscar o consenso entre os diversos atores que discutem o assunto, especialmente os parlamentares ambientalistas e os ruralistas. Obtendo o consenso em torno do relatório, ele o colocará em votação, conforme compromisso assumido quando eleito para a presidência da Câmara. Isso é ótimo!

Mas há um prazo para a votação, porque até junho a lei precisa estar em vigor, para ninguém ficar na ilegalidade. Daí, resta uma indagação: o que pensa o governo sobre o assunto?

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em palestra ao Cosag/Fiesp nesta semana, confortou uma atenta plateia ao declarar que já há, tecnicamente entre os ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário, 97% dos itens consensados no projeto que dará à sociedade o novo Código Florestal brasileiro.

Sabe-se que o governo tem expressiva maioria no Congresso, e pode aprovar logo essa nova legislação, ainda mais com a ampla disposição da sua base partidária nesse sentido. Busquemos todos esse consenso. E, se não houver consenso, está passando da hora de usar o bom senso.

* Roberto Rodrigues - Coordenador do Centro de Agronegócio da FGV, presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp e professor do Depto. de Economia Rural da Unesp Jaboticabal, foi ministro da Agricultura (governo Lula).

_

Um comentário:

  1. Luiz Fernando Ferraz de Siqueira12 de abril de 2011 10:47

    Sem dúvida.
    Questão de bom senso nada mais.
    Luiz Fernando Ferraz de Siqueira
    Diretor Agrícola
    São Fernando Açúcar e Álcool Ltda
    Dourados, MS.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.