segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Austrália e Nova Zelândia se diferenciam



Marcos Sawaya Jank *
A Austrália e a Nova Zelândia estão entre os doze maiores exportadores de produtos agropecuários e alimentos do mundo, num ranking em que o Brasil ocupa a terceira posição.


A Austrália é o sexto maior país do mundo em área total, logo atrás do Brasil. Mas a sua área agricultável é inferior à nossa, e o país sofre com a falta crônica de água e as mudanças do clima.

Em população, os dois países da Oceania não chegam a 30 milhões de habitantes, menos que o estado de São Paulo. Portanto, como o mercado doméstico é limitado, esses países vêm apostando no desenvolvimento de produtos de alta tecnologia e maior valor adicionado. E o foco tem sido a Ásia, região que concentra mais da metade da população mundial e que, nas duas últimas décadas, tornou-se o novo epicentro econômica do planeta.

Dois fatores de diferenciação chamam a atenção na estratégia de inserção internacional da Austrália e da Nova Zelândia.

O primeiro é a estrutura sofisticada que os seus governos montaram para garantir o acesso a mercados na Ásia, uma região notoriamente protecionista no campo da agricultura. Metade das exportações do agronegócio desses dois países já se encontra coberta por acordos bilaterais e regionais, que garantem acesso privilegiado. A outra metade dirige-se a países com quais há acordos em negociação. Com isso, o eventual maior custo de produção é compensado por menores barreiras para exportar.

A Austrália tem 35 adidos agrícolas em 18 países, sendo 10 só na Ásia. O Brasil tem 8 adidos para o mundo todo. A agência de promoção de exportações da Austrália (Austrade) tem 44 escritórios e cobre 15 mercados da Ásia.

O segundo fator é a organização das cadeias produtivas – empresas, associações e governo – para garantir diferenciação, qualidade, sustentabilidade e segurança do alimento.

As associações setoriais desenvolveram programas notáveis nas áreas de marketing, desenvolvimento de selo-país, inovação e capacitação. Ao lado do governo, têm feito um notável esforço de harmonização de regras e padrões técnicos, biossegurança, rastreabilidade (origem dos produtos) e sustentabilidade.

A Austrália tenta construir a sua imagem-país na Ásia a partir da diferenciação dos seus alimentos como "clean, green and safe" (limpo, verde e seguro). Bons exemplos dessa organização sistêmica para exportar estão nos setores de carne bovina e vinhos. Na Nova Zelândia, os melhores exemplos estão nos setores de lácteos e carneiros.

O Brasil é mundialmente conhecido e respeitado na produção e na exportação de commodities. Mas o país ainda é tímido na oferta de alimentos diferenciados para o consumidor global, apesar do notável esforço de internacionalização de algumas empresas e marcas nacionais.

Austrália e Nova Zelândia saíram na frente e se diferenciaram como país na percepção nos mercados consumidores mais dinâmicos da atualidade. Mas sempre é tempo de se organizar melhor para virar o jogo.

* o autor é especialista em questões globais do agronegócio.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.