domingo, 29 de abril de 2012

Aquecimento global: pai da “hipótese Gaia” se retrata de seu alarmismo

Richard Jakubaszko
James Lovelock, pai da “hipótese Gaia”, se retrata de seu alarmismo.
James Lovelock, criador da hipótese ambientalista segundo a qual a Terra formaria um só organismo “vivo” apelidado “Gaia”, admitiu em entrevista à MSNBC que foi “alarmista” a respeito de “mudança climática”.

À guisa de desencargo de consciência, comentou que também outros ambientalistas famosos, como Al Gore, caíram no mesmo erro.

Um dos pais fundadores do ambientalismo hodierno, Lovelock tem esperança de que a suspirada “mudança climática” ainda aconteça, mas lamentou que não virá tão rápido quanto ele anunciava.

Em 2006, em artigo no jornal inglês “The Independent”, Lovelock escreveu que “antes do fim deste século bilhões de homens terão morrido e os poucos casais que sobrevivam ficarão no Ártico, onde o clima ainda será tolerável”.

Agora, em entrevista telefônica com a MSNBC, reconheceu que estava “extrapolando demais”.

Parafraseando os argumentos dos cientistas objetivos, explicou:

– “O problema é que não sabemos o que é que o clima vai fazer. Há 20 anos nós achávamos que sabíamos. Isso nos levou a escrever alguns livros alarmistas – o meu inclusive – porque parecia evidente, porém não aconteceu”.

– “O clima está fazendo suas trapaças habituais. Em verdade, não há muita coisa acontecendo ainda, quando nós deveríamos estar num mundo a meio caminho da fritura”.

– “O mundo não se aqueceu muito desde o milênio. Doze anos é um tempo razoável ... ela [a temperatura] manteve-se praticamente constante, quando deveria ter ido aumentando”.


Em 2007, a revista “Time” incluiu Lovelock na lista dos 13 líderes e visionários “Heróis do Meio Ambiente”, onde também figuravam Al Gore, Mikhail Gorbachev e Robert Redford.

Interrogado se agora tinha virado um “cético” do aquecimento global, Lovelock respondeu à MSNBC: “Depende do que o Sr. entende por “cético”. Eu não sou um negacionista”.

Ele explicou que ainda acredita que a mudança climática esteja acontecendo, mas que seus efeitos serão sentidos num futuro mais longínquo do que se acreditava. “Teremos o aquecimento global, mas ficou adiado um pouco”, explicou.

“Eu cometi um erro”

Lovelock esclareceu que não se importava em dizer: “Tudo bem, eu cometi um erro”.

Na entrevista, ele insistiu que não tirava uma só palavra de seu livro base “Gaia: um novo olhar dobre a vida na Terra”, publicado em 1979. Mas reconheceu que no livro “A vingança de Gaia”, de 2006, ele tinha ido longe demais falando da Terra superaquecida no fim do século.

– “Eu deveria ter sido um pouco mais cauteloso, porém, teria estragado o livro”, brincou cinicamente.

Militantes ambientalistas só puderam concordar, embora desanimados, com o mea culpa de Lovelock.

Peter Stott, chefe do monitoramento do clima no Met Office Hadley Centre, da Inglaterra, disse que o guru foi alarmista demais prevendo que os homens seriam obrigados a viver no Ártico por causa do “aquecimento global”. Também concordou que o aquecimento dos últimos anos foi menor do que o previsto pelos modelos climáticos.

Keya Chatterjee, diretor internacional de política climática do grupo ambientalista WWF-EUA, disse em comunicado que estava “difícil não se sentir esmagado e ficar derrotista”, e sublinhou que a conversa alarmista não ajuda a convencer as pessoas.

A credibilidade das hipóteses ambientalistas está efetivamente caindo cada vez mais baixo.

Publicado originalmente no blog:
http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2012/04/aquecimento-global-pai-da-hipotese-gaia.html
em 29/04/2012


COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO:
Ah! É assim, é? "Errei, me adescurpem". 
E quem vai arrumar essa merreca ambientalista toda, espalhada como lixo pelo planeta inteiro? Quem vai indenizar os prejuízos? Vai ficar por isso mesmo? Dever-se-ia iniciar um novo período de inquisição. Inquisição nesses cabras da peste! Às fogueiras com todos eles! Teremos bastante CO2 para alimentar as lavouras do planeta, e produzir alimentos para todos! 
Alguém aí ainda tem dúvidas?
_

9 comentários:

  1. Dinheiro - o segundo livro foi um forçamento de barra. Erick von Daniken com seu primeiro livro "Eram os deuses astronautas?" também fez a cabeça de muita gente, depois, para continuar faturando começou a forjar provas. Faz o seguinte - se for mandar pra fogueira quem se baseia em fatos concretos, aproveita e coloca pra churrasco uns espiritualistas esotéricos que adoram vender livros com a previsão do fim do mundo.

    ResponderExcluir
  2. Amigo, saudade da inteligência e dos conselhos. A gente se vê na Agrishow. Um abraço grande.

    ResponderExcluir
  3. De grão em grão a galinha enche o papo.Sua persistência de esclarecer o público sobre os fanatismo de tantos ambientalistas é digna de louvor e de admiração. Oxalá outros veículos da mídia seguissem sua linha e conduta. Parabéns e um abraço
    Fernando Penteado Cardoso

    ResponderExcluir
  4. Vejo sempre na TV documentários e notícias sobre o aumento da temperatura nos polos e o derretimento das geleiras e o aparecimento de porções cada vez maiores de terra escura, que, por absorver e conservar o calor, estaria piorando a situação. Ultimamente vi um documentário onde uma cientista explicava as dificuldades enfrentadas pelos animais da região, que dependem do gelo e das baixas temperaturas para viver. Isso não indica uma aquecimento global? Ou é possível que os polos aqueçam e o resto da planeta, não, a médio ou longo prazo? Ou é tudo mentira, os documentários, as fotos aéreas etc.?

    ResponderExcluir
  5. Imaginem se não fosse alarmista, o que seria o Planeta Terra Hoje?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria a mesma coisa, caro anônimo... Nada mudou com a neurose ambientalista, apenas criaram alguns paradigmas despropositados, sem pé nem cabeça, como as sacolinhas de plástico dos supermercados. O problema ambiental é o excesso de gente, é de poluição, e não de aquecimento ou de mudanças climáticas.
      Nas próximas, por favor, assine seu comentário.

      Excluir
  6. Odo Primavesi, São Carlos12 de maio de 2012 17:14

    Oi, Richard!
    É isso aí! Parabéns pelo contrabalanço carbônico.
    Mas o solo continua sendo degradado, e solo impermeabilizado (urbano e rural) reduz a água doce disponível próxima, captada das chuvas. Precisaríamos lutar por esse filão.
    Abraços,
    Odo

    ResponderExcluir
  7. Fiquei extremamente assustada ao ler os comentários feitos pelos seus leitores, e por sinal o seu. Acredito que ninguém que aqui comente seja capaz de tirar conclusões sobre um problema mundial. Me desculpem, mas eu duvido que alguém tenha formação e estudo suficiente para ir contra o que expõe a massa científica. São pessoas como estas, as que não vêm o quanto estamos errados em continuar com esse desenvolvimento desenfreado, as custas de recursos finitos. São essas pessoas, que me fazem perder a esperança na humanidade. Fizemos parte deste grande sistema formado pelas inter-relações entre os seres vivos. Essas relações nos fazem permanecer em um ambiente equilibrado. Com aquecimento ou sem, o problema ambiental é gravíssimo. Quebramos essa teia intrínseca entre nós e a natureza, com queimadas, sobrepesca, extinções, desmatamentos, etc. Coisas essa que James Lovelock sempre tentou passar para a humanidade, seu erro foi tentar passar adiante tais ideias.
    Por favor, reveja seus comentários Sr.
    Como blogueiro e jornalista tem de ser neutro nas suas postagens.
    Karina

    ResponderExcluir
  8. Karina,
    estou escrevendo um livro sobre a falácia do aquecimento e das mudanças climáticas. O título provisório é "CO2: a grande mentira do século XXI", e tenho um título alternativo: "CO2: estão enganando você". Qual vc prefere?
    Terei a companhia de pelo menos 4 cientistas brasileiros, sendo 2 climatologistas; dessa forma, modestamente, posso afirmar a você que sei do que estou falando, não apenas no post acima, assim como em pelo menos uma centena de outros posts publicados aqui no blog. Pesquise aqui no blog pelas TAGS "CO2", ou ainda "aquecimento" e você vai perceber, primeiro, que também sou um ambientalista, quase radical. Segundo, que sou cético da questão aquecimento porque é uma mentira pregada no público pela mídia travestida de ciência científica, para proibir o uso dos fósseis e vender a energia nuclear para gerar energia elétrica. Terceiro, que há enormes interesses com agendas políticas e comerciais nessa falácia. Quarto, que o problema ambiental do planeta é a superpopulação, que depreda, polui, suja, e consome os recursos naturais do planeta, num excesso de consumismo que não vai sobrar nada para nossos descendentes em menos de meio século à frente.
    Finalmente, este não é um blog de notícias. O fato de ser jornalista é acidental, antes disso sou cidadão, e como cidadão e blogueiro criei este blog para debater, trocar ideias, para polemizar, pois é a melhor forma que entendo de a gente aprender. Se debato tenho opinião, e não posso ser neutro, pois seria incoerente. Portanto, não tenho de ser neutro coisa nenhuma. Mas tenho a coragem de expor minhas ideias, e que me convença do contrário quem puder. Ou que admita que não tem argumentos para sustentar um desiderato, que é o que me parece ser o seu caso.
    Continue acreditando na humanidade, não desanime, a maioria tem o comportamento bovino, é verdade, e segue a manada, mas há sempre um grupo pequeno que aponta bons caminhos.
    Em tempo: um dos comentaristas acima (Odo Primavesi) é um dos 2.500 cientistas signatários do malfadado e mentiroso relatório de 2007 do IPCC/ONU. Se eu tivesse escrito uma barbaridade ou mentira, acho que ele não teria registrado sua presença no blog, concorda?
    Fique esperta! Estão enganando vc!

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.