sábado, 2 de maio de 2015

Retrato do governo FHC, por ele próprio.

Richard Jakubaszko 
Anda "na moda" o ex-presidente FHC e outros tucanos emplumados recordando-se de "bons tempos" do governo deles. Não é bem verdade isso, e como os brasileiros possuem memória curta, reproduzo matéria do saudoso amigo Aloysio Biondi (in memoriam), publicada em fevereiro de 1997:

Retrato do governo FHC, por ele próprio.
Aloysio Biondi, via Folha de S.Paulo (atenção para a data!) 20/2/1997:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi200205.htm
O presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma declaração espantosa em sua viagem à Itália. Pela primeira vez, desde que foi ministro da Fazenda no governo Itamar Franco, FHC admitiu que a “abertura” da economia brasileira às importações foi demasiado rápida. Isto é, FHC agora reconhece que toda a base de sua política econômica é um desastre, e está provocando a destruição da indústria brasileira, desempregando milhões de pessoas, reduzindo a produção nacional, “torrando” dólares, provocando rombos na balança comercial em virtude da explosão das importações – e, acrescente-se, vai provocar nova e grave onda recessiva no país.

Noticiada quase exclusivamente por esta Folha, a declaração de FHC foi, porém, acompanhada de falseamento da verdade histórica. O presidente da República atribuiu o “escancaramento” da economia brasileira ao governo Collor.

Na verdade, seu antecessor deu início ao processo. Mas, reconheça-se, a abertura do mercado, apresentada à sociedade como “nova política industrial”, seria feita de forma gradual, ao longo de alguns anos. Ou, sinteticamente, o imposto sobre as importações (tarifas) seria reduzido um pouco a cada ano, com o objetivo de “dar tempo” à indústria nacional de investir para produzir melhor e mais barato, enfrentando a concorrência estrangeira.

Quem mudou da noite para o dia as regras do jogo foi a equipe do governo FHC/BNDES, que reduziu para 10%, 3% ou mesmo 0% (isenção total de imposto) as tarifas sobre produtos importados. Em lugar de reconhecer os erros monumentais cometidos por ele próprio e sua arrogante equipe, o ex-sociólogo FHC limita-se a inculpar Collor. Nenhuma autocrítica, capaz de trazer a expectativa de mudanças nos rumos desastrosos da política econômica. E o país paga, dramática e bovinamente, o preço dos equívocos.


Com a declaração de FHC, como ficam os de-formadores de opinião que há três ou quatro anos vêm tecendo loas incontidas à “abertura”?

Mais recessão
Para conter o rombo da balança comercial, o governo já estuda medidas para reduzir o consumo, reduzir a produção, provocar mais recessão e desemprego. Absurdo. As importações – até de matérias-primas – cresceram por causa do “escancaramento” do mercado, e não por hipotética “explosão do consumo”. É preciso rever toda a política de importações. Combater as causas. Há meses esta coluna diz isso.

Viva a fraude – 1
Escândalo de bilhões de reais, na emissão de títulos por governadores e prefeitos. Dois pontos a destacar. As emissões foram autorizadas em regime de urgência, em poucos dias, pelo Senado. Leia-se: foram autorizações “políticas”, dentro dos conchavos entre o governo FHC e as lideranças do Senado. E mais: as emissões liberadas em regime de urgência pelo Banco Central, que dispensou até mesmo a apresentação de documentos por parte dos governadores ou prefeitos. Leia-se: ordens do Planalto. Estilo de governar.

Viva a fraude – 2
Investigações mostraram que parte do dinheiro das fraudes foi enviado para o exterior. Lembre-se: o procurador da República que investigou o caso PC Farias desabafou, na época, que o Banco Central não apenas “tolera” remessas ilegais, como dificulta as investigações da Justiça. A Receita Federal quis mudar leis, para dificultar fraudes. O Banco Central se opôs. O presidente da República apoiou o Banco Central. Estilo de governar.

Viva a dengue
O ministro Gustavo Krause teve dengue. Milhões de brasileiros tiveram dengue. O Ministério da Saúde lança campanha bilionária, inclusive com anúncios na tevê, para combater a doença, priorizando a erradicação do mosquito transmissor.

Está nos jornais (de 8 deste mês): “Por enquanto, a Fundação Nacional da Saúde ainda enfrenta problemas de recursos para o combate à dengue e à malária”. Aguarda, por exemplo, a liberação de verbas da ordem de R$4 milhões (atenção: milhões com m, ninharia) para a aquisição de inseticidas. Para matar o mosquito.

O governo FHC corta verbas para a saúde. Dengue, malária, tuberculose, leishmaniose são algumas doenças que estão de volta. Estilo Malan / Kandir / FHC de governar.

Reproduzido do blog Limpinho & Cheiroso: http://limpinhoecheiroso.com/2015/02/19/autocritica-no-final-de-seu-mandato-fhc-reconheceu-que-seu-governo-foi-um-desastre/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.