domingo, 8 de agosto de 2010

A morte, a vida e o meio ambiente


por Vilmar S. D. Berna *
A morte de amigos queridos sempre me causa impacto, pois uma coisa é sabermos, em tese, que todos morreremos um dia que não sabemos qual, e outra bem diferente é saber da morte de amigos e pessoas com as quais convivemos. A primeira questão que nos assombra nestes momentos, além da dor da perda, é se estamos valorizando a vida que temos, enquanto ainda a temos!
 
Pensar sobre a morte não tem nada de mórbido, pois convivemos com ela diariamente. Existe morte na vida e vida na morte. Ao morrermos, nosso corpo continua se decompondo em outros elementos químicos que se reincorporarão a vida, de outras maneiras, além de permitir a vida de outros seres como alguns insetos que usarão nosso corpo como alimento, morada e berçário. Nada demais, por que enquanto estivemos vivos também nos alimentamos dos mortos, como as plantas e animais.

 
Também podemos não morrer de uma vez só. Nossos rins, pâncreas, fígado, por exemplo, podem morrer antes de nós, ou sobreviverem a nossa morte, e daí os transplantes se tornarem possíveis e necessários.
Também morremos o tempo todo sem perceber. A parte da pele que vemos e tocamos, por exemplo, é formada por escamas de pele que já morreram e continuam morrendo e se desprendem formando poeira e servindo de alimento para toda uma fauna acompanhante de ácaros que nos prestam um importante serviço aos nos limparem, ao alimentarem-se de nossa pele morta.
E, como não somos seres só físicos, mas também espirituais, morremos ética e espiritualmente quando escolhemos nos calar diante de injustiças e indiferenças, por exemplo, ou quando recusamos amar para não sofrer.

 
O que se espera da morte é que seja em paz e com dignidade. Hoje, a medicina dispõe de recursos para tornar a morte digna, sem dor ou sofrimento.
Entretanto, a paz não depende da Medicina. Algumas pessoas podem não se sentir em paz na hora da morte por perceberem que não deram a devida importância à vida, não valorizaram o que acham agora que deviam ter valorizado. Existem pessoas tão preocupadas em acumular bens, riquezas e poder nesta vida, que parecem pensar que não vão morrer nunca, ou que poderão levar alguma coisa consigo depois que morrerem. Se isso só causasse danos a essas pessoas tudo bem, é a escolha delas, o problema é que estas escolhas causam danos ao planeta, que é obrigado a ceder recursos naturais que farão falta a outras pessoas, além de obrigarem outras pessoas a trabalharem além de suas necessidades, para produzir mais valia. Algumas dessas pessoas, ao chegar a hora da morte, descobrem que andaram perdendo tempo dando importância a coisas e atitudes que, agora, não têm tanta importância. Alguns lamentam-se pelos 'eu te amo' que gostariam de ter dito às pessoas queridas, ou pelos perdões que não pediram nem deram - e nem se deram, e que terão de se dar agora, ou não conseguirão morrer em paz.

 
Alguns preferem se consolar acreditando que a morte é uma espécie de passagem para um outro mundo ou situação. Outros, acham que é o fim de tudo. Pouco importa, porque não temos nem como evitar a morte nem como ter certeza se existirá uma segunda chance.
A morte encerra um ciclo, o desta vida, como a conhecemos. A vida permite que sejamos o que somos, e na morte deixamos de ser.
O mundo das possibilidades é aqui e agora, nada valerá a pena se perdermos esta oportunidade
.

* O autor é escritor e jornalista, editor da Revista e do Portal do Meio Ambiente. Mais informações: www.escritorvilmarberna.com.br
¨

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.