sábado, 25 de outubro de 2014

Veja e as fontes do submundo

Richard Jakubaszko
Aqui se faz jornalismo de esgoto.
As formas de atuação e manipulação da revista Veja, em suas reportagens "investigativas", e "denúncias" bombásticas para "derrubar a república" são conhecidas por todos os meus colegas jornalistas. Essas práticas de manipular a opinião pública, por vezes, nos fazem perder a fé no jornalismo e até mesmo no ser humano.

No vídeo abaixo, a TV Record fez em 2012, se não me engano, uma ampla reportagem, incluindo gravações telefônicas da Veja com Carlinhos Cachoeira, corruptores, o "insuspeito" mosqueteiro da moral, senador Demóstenes Torres, hoje cassado de seu cargo, e diversos outros agentes da corrupção, mostrando que a Veja é instrumento de interesses para afastar dirigentes públicos do caminho dos corruptos.
O que se sucedeu a esta e outras denúncias? Nada, nadica de nada, os esquemas continuam em vigor. Como diz a presidente Dilma: "todos soltos!".
Espero que a ação judicial de Dilma Roussef diante da nova anti-matéria da Veja tenha sucesso ante a essa cafajestice.

A publicação desse vídeo é apenas para "refrescar" e atualizar a memória dos coxinhas tucanos que nos barzinhos da vida adoram falar na corrupção dos petistas, as deles eles escondem pra debaixo do tapete. Não sou petista, muito menos hipócrita, e tampouco ingênuo.

Hoje ainda, véspera das eleições, vamos assistir em alguns telejornais, as derradeiras tentativas de reverter a vantagem de Dilma nas intenções de votos apontadas nas pesquisas. A reportagem da Veja desta semana afirma que "o doleiro criminoso e ex-condenado ouviu o ex-diretor da Petrobras comentar"...
Até parece que é sério, bandido dando entrevista e jogando merda no ventilador pra obter redução na sua pena.

Por enquanto, reveja esse clássico da TV Record:

.

2 comentários:

  1. Jose Carlos Arruda Corazza, BH26 de outubro de 2014 11:00

    Richard,
    olha só o que o jornalista Jânio de Freitas, da Folha de São Paulo, escreveu:
    Os enganados e o mentiroso, por Jânio de Freitas
    "A última investida originada na imprensa para interferir na disputa eleitoral --última, bem entendido, até a hora em que escrevo-- é feita com o nome do doleiro Alberto Youssef, com abuso do condicional ("teria dito", "teria feito"), com um hipotético delegado sem nome e com um tal depoimento de cujo teor nem o advogado do depoente ouviu falar.
    Dado apenas como doleiro, Alberto Youssef é mentiroso profissional. E negócio são importações mentirosas para exportar dólares como pagamentos. Sua atual busca de delação premiada, em troca de liberdade apesar de criminoso confesso e comprovado, não é a primeira. Voltou a ser preso, há seis meses, porque, desfrutando de liberdade concedida pela Justiça como prêmio por antigas delações, dedicou-se aos mesmos crimes que se comprometera a não repetir. A delação premiada e o acordo com um juiz foram ambos mentirosos.
    A investida e seus instrumentos são componentes que se mostram, como em outras eleições, da velha divisão do país."
    É isso, a elite tenta enganar o povo. O meu povo, de Minas Gerais não vota em Aécio!!!!
    José Carlos Arruda Corazza

    ResponderExcluir
  2. Carlos Raimundo Recker, advogado26 de outubro de 2014 16:09

    É mais do que evidente a intenção de Veja em influenciar o resultado eleitoral.
    Nos termos em que foi publicada a reportagem, recheada de verbos condicionais (teria dito... supostamente afirmou...), ficou clara a hipocrisia, a falsa moral.
    Ao mesmo tempo, Veja não tem autoridade moral, nunca possuiu credibilidade jornalística para dar suporte a essas mentiras. Em qualquer país civilizado os diretores de Veja seriam presos, pela leviandade cometida, pelas acusações sem provas.
    Carlos Raimundo Recker, advogado
    São Paulo

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.