sábado, 23 de outubro de 2010

Reflexões (Finitude)

por Renato Arantes Villela *
Finitude 
A morte não é exatamente um privilégio daqueles que já se foram. Por isso a finitude da vida se apresenta diante da gente como uma sentença da qual não é possível fugir, nem fingir que não existe. “A morte, angústia de quem vive”, escreveu uma vez Vinícius de Moraes. O engraçado é que quando se pensa nessa condição finita do ser humano, de si mesmo, a primeira idéia que vem à cabeça -  hoje reforçada por centenas de mensagens virtuais - é de que é preciso viver, aproveitar a vida, desfrutar de todos os momentos. Afinal de contas, “a morte é certa”. Considero essa postura legítima e desejável, mas confesso que no dia em que essa entidade, “a morte”, bateu na minha  porta, minha percepção mudou um pouco. Não sei se foi o meu desejo de viver e aproveitar a vida que perdeu um pouco da sua força ou se o que ficou pelo caminho foi um pouco da minha inocência.

“De repente a gente vê que perdeu ou está
perdendo alguma coisa, morna e ingênua
que vai ficando no caminho...”. (Cazuza)

Diante da relevância da finitude e do que ela encerra em si, não posso negar que esse olhar sobre a vida – que eu sempre me esforcei em ter – ganhou ares de leviandade. Se a proposta do carpe diem está hoje distante de mim, é também verdade que o desespero não me seduz, tão pouco a depressão me espreita. O que sinto é uma sensação de resignação, como se a existência fosse um caso (quase) perdido. Fisicamente ela é mesmo. Talvez essa reflexão seja prematura ou transitória, mas ela traduz com fidelidade um pouco da percepção de quem sempre acreditou – e quem não acredita? -  que “tudo era pra sempre” e se vê diante do desafio de aceitar a vida na sua condição finita e dar a ela, em sua transitoriedade, algum sentido. 

* zootecnista, da redação da revista DBO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.