segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Que saudade de uma chinelada!

Richard Jakubaszko
A sociedade humana está profundamente doente. Precisamos discutir e reavaliar valores, especialmente aqueles da educação e das regras do convívio social, sob pena de conquistarmos o caos pretendido pelas profundezas dos infernos.
Exemplos desse caos estão no comportamento assemelhado de quatro jovens, nestes últimos dias, amplamente divulgado pela mídia, em dirigirem bêbados. Dois deles, após um primeiro incidente, fugiram alucinadamente do local, provocando outros acidentes, enormes prejuízos, problemas ainda maiores, inclusive mortes. Tudo isso porque desejavam evitar uma punição por estarem dirigindo alcoolizados. Fugiram com medo de uma punição menor, e agora terão punições mais graves. Levarão chineladas da sociedade. Só porque não pensaram, antes de sair de casa, que, se iriam consumir bebida alcoólica, seria melhor ir de taxi, ou de carona, ou pelo transporte público.

Sim, estamos no país da impunidade, do legislativo contorcionista e malabarista que abre brechas para os advogados livrarem das punições a quem tem culpa, desde que tenha dinheiro. E temos um judiciário lento, burocrático, comprometido com interesses difusos. Principalmente, estamos em um país onde a hipocrisia prevalece, onde se discute superficialmente os mais importantes temas que afligem a sociedade.

Faltou aos jovens causadores dos acidentes a dignidade de reconhecer que haviam errado. Ao tentarem fugir, provocaram o caos. Apenas e tão somente, em minha modesta opinião, se tivesssem recebido em casa, na infância, educação básica que incluísse valores, como respeito à vida, respeito ao próximo, o respeito às leis, e nada do que se passou teria acontecido. É certo que os pais não nascem com um Manual de Instruções, de como ser pai e mãe. Temos de aprender a educar e, entre outras coisas, educar com exemplos aos filhos, de que seu espaço e liberdade de fazerem o que quiserem termina onde começa o espaço do outro.

A questão da educação e do ensino, em casa, e aprendemos isso com as gerações anteriores, determinava algumas palmadas ou chineladas nos jovens para aprender que fez algo errado, já com a punição executada na hora. Mas a moderna psicologia levou à legislação a proibição das palmadas e das chineladas corretivas, apenas porque dois ou três pais e mães espancaram seus próprios filhos exacerbadamente e a notícia saiu nos jornais. A desculpa para a proibição da palmada é que esta causa “traumas psicológicos”. E assim as crianças passaram a ser inimputáveis, gerando adultos inconsequentes, levianos, alguns deles criminosos, como vemos agora no noticiário.

Da mesma forma, na escola, onde os jovens recebiam educação suplementar, para prepará-los para a vida, tirou-se o poder do professor. Pois um professor, faz muito tempo isso, não reprova mais ninguém. Aluno, agora, não é mais aluno, é cliente, e tem de ser paparicado como tal. É a lógica do lucro. É essa lógica que gera jovens infelizes, consumistas, exibicionistas, que se julgam acima de tudo, e que tudo podem. Se tinham a autonomia, agora possuem a soberania. Sem limites, sem reprovações, e ainda ganham dos pais presentes, bens de consumo que substituem a falta de (de saber transmitir...) amor, e de palmadas. É a lógica do inadaptado, do mal preparado para a vida. A lógica da infelicidade.

A gente nem percebe, mas existem indicadores da (in)felicidade humana, especialmente dos jovens, chamam-se tóxicos, alguns legalizados, e outros não, pois há bebida alcoólica, crack, cocaína, maconha, LSD, Viagra (porque impotentes), ansiolíticos, calmantes e Prozacs. Estes últimos devidamente legalizados, e mais a maconha, agora a pedidos e por passeatas, por legalizar, etc. e etc. E muita neurose.

E só o que falta é amor e algumas chineladas de vez em quando, para resolver toda essa problemática. Garanto que nenhuma criança fica traumatizada por receber eventualmente umas palmadas ou chineladas. E, principalmente, não irá provocar, quando adulto, traumas irrecuperáveis em outras famílias, como a perda de vidas humanas em consequência de suas “travessuras”.

Que sejam recuperados valores como a palmada e a chinelada (que saudade de uma palmada!), e que se devolva aos professores o único poder que se lhes expropriaram. Para o bem da humanidade...
_

3 comentários:

  1. Heriberto Chinavaglia3 de outubro de 2011 15:43

    Richard,
    beleza de raciocínio, meu caro! Você peca apenas pela proposta, que é muito leve, pra essa juventude de hoje em dia o que precisa é de vara de marmelo!!! Ou chibatadas!!!
    Heriberto

    COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO:
    Ora, ora, Heriberto, não cheguemos a tanto...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo artigo. E digo mais, os pais destes delinquentes também merecem chineladas ou 'chibatadas' por terem contribuído para a formação de uma geração degenerada. Quantos pais defendem estes filhos assassinos!!! A sociedade brasileira ruiu começando pelas famílias.
    Abs
    Helena Umaras, estilista
    S.Paulo

    ResponderExcluir
  3. Celso Marangoni, de São Paulo31 de outubro de 2011 11:25

    Ao caro colega Richard,
    (de planeta e de tempos mais felizes)
    concordo em gênero, número, grau e possíveis inflexões, a tudo que você escreveu.
    Tenho 3 sobrinhos em Nova York. Lá, se você estiver dirigindo e um louco se atirar na frente do seu carro e morrer, você responde a homicídio culposo.
    Não há a desculpa de que "era um louco"... o raciocínio da polícia é: -"E se fôsse uma
    criança atrás de uma bola?"
    Quem tem que estar atento ao volante é você!
    E agora, aqui a impunidade piorou muito, com essa perversa lei do pagamento de fiança,
    aprovada pelos nossos (não meus!) políticos...
    (Há poucas semanas, o sujeito que estava a 220 km por hora e "assassinou" uma juíza de madrugada, quando voltava bêbado da farra noturna, pagou 350 mil (!!!) e saiu livre!...
    Olha Richard, eu só me permito sugerir a você, acrescentar ao seu belo e lúcido texto,
    um outro ítem que acho simplesmente desesperador: são os tais "jogos virtuais"
    que qualquer criancinha de 5, 7, 10 anos pratica à exaustão.
    Vi, dia destes, num shopping sofisticado, um garotinho de 8 aninhos, com uma metralhadora
    (virtual, é claro!) na mão.
    Pois bem, ele "atirava" na tela contra seus "inimigos"imaginários...
    É sabido que o nosso cérebro, além de inteligente é igualmente muito "burro". Porque, tudo que o olho enxerga, ele transcreve como "real". É isto o que explica
    o sucesso de revistas pornográficas.
    O leitor sabe que o que tem nas mãos é puro papel, mas o cérebro não.
    Então, voltando à criança, para o cérebro dela, o virtual é real, ou seja, já na tenra idade, ela se habituou a atirar em alguém.
    (mesmo hipotético) então, um belo dia, o menino vira jovem, vai pra balada, enche a cara e, numa discussão banal, tira um revólver e, e virtualmente, atira num rival por causa de uma paquera mal resolvida.
    Os jornais estão abarrotados de notícias iguais.
    Richard, assisti aos 2 shows dos Rolling Stones, 2 de Paul Mcartney, 2 de Paul Simon...
    Hoje vejo que, conjuntos ruins de nossa época eram ótimos.
    Vimos o Pelé começar e encerrar a carreira...
    cara como fomos felizes!!!
    abração do Maranga

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.