quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Jornal Nacional: notícias requentadas II

Richard Jakubaszko
A propósito do post de 6 de dezembro, sob o mesmo título acima (ver no link a seguir: http://richardjakubaszko.blogspot.com/2011/12/jornal-nacional-noticias-requentadas.html ), o visitante deste blog pode ler no artigo abaixo, do médico toxicologista Prof. Dr. Ângelo Zanaga Trapé (e que é ex-colaborador da Anvisa), considerações interessantes sobre a tal pesquisa da ANVISA, de 2010:

Os Resultados do PARA e Segurança Alimentar: Contribuição da Ciência e da Toxicologia para sua interpretação e compreensão:

Prof. Dr. Angelo Zanaga Trapé
Coordenador da Área de Saúde Ambiental
Coordenador do Programa de Monitoramento de Populações Expostas a Agrotóxicos
Departamento de Saúde Coletiva Faculdade de Ciências Médicas - Unicamp


Em Dezembro de 2011 a ANVISA, divulgou os resultados do PARA, Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Na divulgação feita em rede nacional pela mídia a ANVISA informou que foram realizadas análises em 2488 amostras de diversos produtos da hortifruticultura para variados ingredientes ativos (i.as.) que compõem os agrotóxicos.
Do total das amostras analisadas, segundo a ANVISA, 28%, ou seja, 694 apresentaram-se insatisfatórias, sendo o pimentão o principal alimento com maior índice de amostras insatisfatórias, perto de 91%.
Para entendermos o significado do parâmetro “insatisfatório” da agência e podermos interpretar os resultados de maneira científica é preciso que a base da avaliação seja a metodologia científica em Toxicologia (disciplina da Ciência que estuda os efeitos dos agentes químicos em geral  nos seres vivos).
A metodologia em Toxicologia tem como princípio básico para qualquer substância química (medicamentos, produtos industriais, metais pesados, agrotóxicos), a relação DOSE=RESPOSTA, ou seja, para haver uma resposta nos organismos vivos, seja ela benéfica ou não, é necessário haver a absorção de uma dose capaz de determinar alguma alteração do organismo, boa ou ruim.
A Toxicologia moderna ainda mantém o ensinamento de Paracelsus, médico belga que iniciou os conhecimentos científicos nessa disciplina há mais de 500 anos: “A dose faz o remédio, a dose faz o veneno”. Portanto, não é qualquer dose ou resíduo de uma substância química, no caso os agrotóxicos, que pode ser capaz de determinar alterações prejudiciais nos seres humanos seja de curto , médio ou longo prazo. A Clínica e a Epidemiologia em Toxicologia nos ensinam isto.
No caso dos alimentos, as agências internacionais que regulam níveis de resíduos de substâncias químicas em alimentos ingeridos “In natura”, ou processados, estabelecem há muitas décadas valores, níveis aceitáveis dessas substâncias (conservantes, corantes, realçadores de sabor, agrotóxicos) sem causar danos à saúde humana pelo consumo cotidiano desses alimentos durante a vida.
Para os  alimentos analisados pelo PARA, o parâmetro que deve ser respeitado pela agência reguladora ANVISA, para que uma amostra seja “satisfatória” ou “ insatisfatória” deve ser o Limite Máximo de Resíduos (LMR) de ingredientes ativos (i. as.) em um determinado alimento, abaixo dos quais não há preocupação em termos de saúde pública.
Voltando aos resultados do PARA de 2010, temos que 28% das amostras, ou seja, 694 foram consideradas “insatisfatórias” pela agência, porém quando analisamos cientificamente os dados vemos que, deste total, somente 42  ou 1,7% das 2488 amostras tinham algum resíduo acima do parâmetro aceito internacionalmente, o limite máximo de resíduo, LMR. A maior parte, 605 amostras, ou 24,3% eram detecções de i.as. não registrados para aquela cultura, mas com registro para outras culturas no país.
Avaliando os alimentos realçados pela agência e pela mídia, como os mais “contaminados” temos o seguinte:
1º) Pimentão - segundo ANVISA, 91% de 146 amostras “insatisfatórias”, porém 84,9%  com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs. Amostras com detecção acima do LMR = 0,00% segundo o relatório da ANVISA
2º) Morango - segundo ANVISA, 64,3% de 112 amostras “insatisfatórias”, porém 51,8% com detecção de i.as. não registrados  para a cultura, mas abaixo dos LMRs. Amostras com detecção acima do LMR = 3, ou 2,7% segundo o relatório da ANVISA.
3º) Pepino - segundo a ANVISA, 57,4% de 136 amostras “insatisfatórias”, porém 55,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs. Amostras com detecção acima dos LMRs- 2 ou 1,5%
4º) Alface - segundo a ANVISA, 54,2% de 131 amostras “insatisfatórias, porém 51,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura mas baixo dos LMRs. Amostras com detecção acima dos LMRs = 0,00%.
5º) Cenoura - segundo a ANVISA, 49,6% de 141 amostras “insatisfatórias”, porém 48,9% com detecção de i.as. não registrados para a cultura, mas abaixo dos LMRs. Amostras com detecção acima dos LMRs = 0,00%
Este problema é fitossanitário, de extensão de uso de um agrotóxico de uma cultura para outra(s) e não de saúde pública, pois o parâmetro que deveria ser respeitado pelo órgão regulador, o LMR não foi ultrapassado. Mesmo nos casos de culturas onde ocorreu detecção de resíduos acima dos LMRs pelo relatório, os valores são muito baixos e têm como unidades de valor miligramas do i.a., por quilo do alimento. Do ponto de vista de saúde, à luz do método em Toxicologia, principalmente DOSE=RESPOSTA, os valores são muito baixos, não indicando riscos para a população consumidora desses alimentos em curto, médio ou longo prazo.
Como conclusão, fazendo uma leitura dos resultados do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA, da ANVISA, com base na metodologia científica que deve sustentar qualquer  estudo, relatório, norma ou portaria, principalmente de uma agência reguladora nacional, podemos dizer que os alimentos analisados em 2010 mostraram uma adequada segurança química, indicando à população brasileira tranquilidade para o consumo desses  alimentos. 
COMENTÁRIOS ADICIONAIS DO BLOGUEIRO:
Registro abaixo, porque muito relevante, que inúmeros profissionais ligados ao setor sentiram-se preocupados e até mesmo indignados com a divulgação deturpada dos dados da pesquisa, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com visível preocupação alarmista e panfletária.
A publicação do material provoca descontentamento no setor produtivo, que afirma que os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos estão abaixo dos índices internacionais. Abaixo algumas dessas manifestações:

Anita de Souza Dias Gutierrez, responsável pelo Centro de Qualidade em Horticultura da Ceagesp:
“A Ceagesp realiza estudo semelhante ao da Anvisa anualmente. Em 450 amostras monitoradas, é semelhante, mas com outro posicionamento. Eu não sei se a Anvisa acredita que o terrorismo alimentar vai resolver alguma coisa. Na prática, ela pune todos os produtores. Quando publica isso desta maneira, sem apontar discussão ou a verdadeira causa, ela está destruindo 20 mil produtores.”.

Leonardo Vicente da Silva, coordenador setorial de Controle de Agrotóxicos da Secretaria de Estado de Agricultura do Rio de Janeiro:
“Nos dias seguintes ao anúncio do PARA, houve forte retração nos preços pagos ao produtor. Uma caixa de pimentão que custava R$ 20, está sendo vendida por R$ 3, quando só a caixa de madeira que conserva o produto custa R$ 2,50”.

José Robson Coringa Bezerra, presidente da Câmara Federal de Hortaliças:
“O grave da pesquisa não é o índice de contaminação, considerado baixo pelos especialistas. O registro de produtos que devem ser utilizados tem que ser feito, porque os produtores usam produtos registrados em outras culturas. E estas culturas, principalmente do pimentão, não têm registro.”

Angelo Zanaga Trapé, médico toxicologista / UNICAMP:
“A maneira como os dados foram divulgados foi equivocada. Em 30 anos de experiência, nunca recebi um paciente contaminado por agrotóxicos. Apesar de existir a presença da substância nas amostras, menos de 2% ficaram acima do índice tolerado. Se analisarmos cientificamente os dados que o programa da Anvisa apresenta, 98,3% das amostras, de 2,48 mil, indicam valores abaixo de um parâmetro aceito em nível mundial. Isso indica que a população está segura em termos de alimentação com esses produtos.”

Ossir Gorenstein, engenheiro agrônomo responsável pelo Centro de Qualidade Hortigrajeira, da CEAGESP:
“Na ausência de uma autoridade sanitária que exerça o papel de informar e esclarecer a população sobre os reais perigos dos agrotóxicos, principalmente nos alimentos,  urge que alguém com algum conhecimento do problema o faça, para não se sentir omisso e conivente com a mentira. A desinformação tem o propósito de transformar uma questão normativa, ou legal, em um falso drama epidemiológico (...) As considerações são necessárias para que não passem, como verdades, falácias lançadas em uma luta política, e para que cidadãos possam melhor se esclarecer a respeito do real perigo representado pelos agrotóxicos para a nossa saúde.”

Mariliza Scarelli Soranz, presidente da Associação Hortifrutiflores de Jarinu, SP, e diretora do Instituto Brasileiro de Frutas, IBRAF:
“A divulgação e as reportagens equivocadas prejudicam o segmento e deixam os produtores extremamente desmotivados a permanecerem na agricultura, pela baixíssima demanda desses alimentos. A sociedade também sofre as consequências, pois a agropecuária é um forte eixo de sustentação da economia do país.”

Ronaldo Tofanin, produtor de pimentão/fornecedor do Ceagesp/Campinas:
“Depois das reportagens sobre a pesquisa da Anvisa, a caixa do pimentão, que estava a um preço médio de R$15 a R$18, caiu para R$8. E, mesmo assim, ninguém quer comprar mais. Das 50 caixas por dia que eu levava ao Ceagesp de Campinas, voltaram 30 na última quarta-feira”.
_

6 comentários:

  1. Olá, Richard.
    Vale conferir o Bem-Estar de hoje, nos links

    “Alimentos com casca trazem mais nutrientes e vitaminas”
    http://g1.globo.com/videos/bem-estar/t/edicoes/v/alimentos-com-casca-trazem-mais-nutrientes-e-vitaminas/1740455/

    “Agrotóxicos não afetam a qualidade dos alimentos, diz engenheiro”
    http://g1.globo.com/videos/bem-estar/t/edicoes/v/agrotoxicos-nao-afetam-a-qualidade-dos-alimentos-diz-engenheiro/1740392/
    Abraços.
    Pedro Corrêa

    ResponderExcluir
  2. Richard
    Em qualquer situacao de mercado sempre ha' pessoas contra e a favor alguma coisa, seja na ciencia, comercio, industria, governo... No fim das contas leva mais vantagem quem tem melhor percepcao das direcoes das melhores tecnologias, das demandas dos clientes e do meio ambiente ou do mercado como um todo, como um ecosistema: menor custo, menor impacto, mais densidade nutricional, menos poluentes, mais margem no comercio etc. Isso independe da opiniao de pessoas que queiram vender a ideia falsa de que agrotoxicos nao fazem mal (quantos dos citados recebem dinheiro com venda, pesquisa, divulgacao ou teem outro conflito de interesse nao declarado), a historia demonstra consistentemente em varios paises que o que se pensava ser correto como ciencia em uma epoca passou a ser incorreto quando mais informacao foi obtida, ou quando tecnologias melhores surgiram. Um principio que e' perene e' o principio da precaucao e se ha' como fazer algo sem agrotoxicos, com menos custos e mais rendimento e sustentabilidade e ha' varias indicacoes no mercado nacional e internacional de demanda neste sentido, o empresario, jornalista, pesquisador e consumidor esclarecido vai naturalmente buscar informacoes sobre estas tecnologias melhores, como por exemplo a agroecologia que ja descrevi neste blog dezenas de vezes (ver www.agroeco.org e abaixo exemplo de campanha voluntaria de uma rede de lojas no UK contra agrotoxicos ALEM do que ja' e' feito pelo governo). Portanto independentemente de Anvisa, Unicamp, picaretas ou competentes, manipulacao de estatisticas ou mentiras, o consumidor, produtor e pesquisador esclarecido ja' migrou ou esta' migrando para agroecologia. Menor custo, mais rendimento, mais aceitacao do mercado - sem agrotoxicos.
    SDS
    Gerson Machado

    Campanha da Marks and Spencer UK
    "Pesticides?
    No thanks!
    We've banned over 60 already
    (more than any other food retailer)
    Your M&S"

    ResponderExcluir
  3. A ANVISA não estaria, assim, tentando empurrar os consumidores para produtos alimentares processados industrialmente, depois de muitos "acordos" esquisitos com essa indústria sobre temas como gorduras trans e teor de sal? Para gordura trans, há pelo menos uns 2-3 anos, o limite de tolerância nos EUA é ZE-RO, com uma diferença simples: eles são uma federação e até as cidades podem decidir (como de fato fez, por exemplo, Nova York, nessa área).

    ResponderExcluir
  4. Gerson,
    como este é um blog de debate, registrei sua opinião, apesar de discordar em gênero, número e grau dos conceitos emitidos. Vejo que vc acredita em publicidade de varejo, e assim deduzo que vc acredita no que quer por conveniência pessoal.
    O que não é legal é o que vc faz, primeiro por não dar importância a uma mentira comprovada, feita por um órgão governamental da importância da Anvisa, que espalha terrorismo entre a população, mentira que foi aceita e apoiada por gente do porte de uma TV Globo; em segundo lugar porque vc ainda lança suspeitas de que alguns dos profissionais acima "ganham" para emitir sua opinião a favor de alguma coisa.
    Ora, faça-me o favor, vc que viaja tanto pelo mundo afora, perceba lá fora como as pessoas civilizadas discutem, como fazem confronto de ideias, sem a necessidade infantil e tipicamente brasileira de tentar desqualificar quem emite opinião contrária à sua. Debata a ideia, é mais produtivo.
    Se houver outras opiniões semelhantes no futuro não publico mais seus comentários, lamento.

    ResponderExcluir
  5. Richard
    para seu esclarecimento, o que voce chama de "publicidade de varejo" esta' comprovavel atraves de varias fontes independentes dos comerciantes que VOLUNTARIAMENTE baniram os agrotoxicos de seus produtos por ser melhor negocio, o que eu citei foi apenas UM exemplo, para quem quiser comprovar, veja algumas pesquisas abaixo ha' mais online.

    Voce notara' que isso nao e' coisa nova. Os artigos teem de 7 a 10 ANOS. O que vem reforcar o ponto que ja' mencionei varias vezes, que tratamento quimico e nao biologico e' tecnologia OBSOLETA ou em obsolescencia.

    Ha' varias organizacoes pelo mundo afora inclusive na Africa, algumas trabalhando com os comerciantes que demandam produtos com uso minimo de agrotoxicos ALEM das normas de governos, que ajudam produtores a migrar de uma situacao com agrotoxicos para outra sem agrotoxicos em 18 meses e com mais rendimento. Acorde amigo Richard. Este debate so' me chamou a atencao pois em qualquer pais civilizado a revisao publica de residuos de agrotoxicos mostra niveis muito mais altos do que os comentados no seu blog, faca a comparacao - tudo e' relativo pois cada um pode definir o padrao de conveniencia e a unica garantia absoluta de nenhuma interferencia com a saude e' remove-los.

    Mas isso e' um pouco como discutir o sexo dos anjos se ha' tecnologias muito melhores disponiveis ver realipm.com, agroeco.org etc.
    Falta educacao, conscientizacao, na universidade, governo e industria.

    Quanto aos pesquisadores e lobistas associados 'a industria de pesticidas, presentes em todos os paises, a unica garantia que dao e' que as mesmas industrias que vendem o veneno vendem os remedios para "gestao" das doencas depois, completando o tema 'ciclo de idiotas' como bem documentado no filme frances-canadense http://rt.com/programs/documentary/idiot-cycle-cancer-film/

    Gerson Machado
    http://www.foe.co.uk/resource/briefings/pesticide_supermarket_food.pdf
    Pesticides in supermarket food

    http://www.realipm.com/
    We deliver cost effective, crop protection solutions, which significantly reduce chemical inputs. Real IPM can increase the yield and quality of fruit, flowers and vegetables. As a result of our vision and mission, biological control is taking centre stage... be insecticide-free within the next 18 months.

    http://www.pan-uk.org/pestnews/Issue/pn53/pn53p3.htm
    Retailer bans suspect pesticides

    http://www.theecologist.org/blogs_and_comments/commentators/other_comments/841477/pesticide_lobby_resists_moves_to_sanction_deadly_paraquat_substance.html
    Pesticide lobby resists moves to sanction 'deadly' paraquat substance

    http://www.dailymail.co.uk/health/article-196636/Pesticides-veg.html
    Pesticides with your veg?

    http://www.ted.com/talks/william_li.html
    William Li: Can we eat to starve cancer?
    William Li: Podemos comer para que o câncer morra de fome?

    http://www.youtube.com/watch?v=KLjgBLwH3Wc
    TEDxIowaCity - Dr. Terry Wahls - Minding Your Mitochondria

    http://rt.com/programs/documentary/idiot-cycle-cancer-film/
    The idiot cycle: What you aren't being told about cancer

    ResponderExcluir
  6. José Carlos de Arruda Corazza23 de dezembro de 2011 17:50

    Richard,
    parabéns pela defesa do livre arbítrio dos agricultores. Vocè é insuperável e brilhante nessa sua batalha. Mas permita sugerir-lhe que não publique opiniões como a desse Gerson, um verde fanático que não tem a menor ideia do que faz, e que ainda tem a pretensão de vir a ensinar padre a rezar missa...
    José Carlos

    COMENTÁRIO DO BLOGUEIRO:
    José Carlos, este blog é de debate, portanto, aceito a opinião que for, desde que sem baixarias, tipo palavras de baixo calão ou tentativa de desqualificação do autor de alguma ideia ou opinião. Que o Gerson é um verde, todo mundo já sabe. Entretanto, mesmo discordando dele, sempre aprendo quando leio opiniões contrárias às minhas. De vez em quando aprendo alguma coisa com ele... Não tenho medo de mudar de opinião, porque penso. Evidentemente que o Gerson perde tempo nesse tema de agrotóxicos, pelo menos comigo.
    Assim, acho o contraditório uma dádiva divina.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.