quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Enterro de Camiló


Carlos Eduardo Florence
Camiló nascera em Oitão dos Brocados, filho de gente sertanejada ali chegada há mais de duzentos anos. Se fizera trançados de couros por heranças de conhecimentos e destrezas, jogador de truco referenciado e por último acolhedor de dores e almas pelos tombos de peões de burros xucros, mulher da vida apanhada de cafetão e outras desditas. Por ordens das desfeitas fora assassinado por conta das suas habilidades e carinhos incompreendidos. Seguiram-se as exéquias como se deram e das quais damos nossas vistas.

O cortejo fechou a rua principal, seguiu o instinto da flor de maracujá, que ele carregou quando atirado, caminhava lento tudo no embalo do caixão, para não acordar a poeira e assumiu o caminho fronteiro da Capela de Santa Eulábia, aderida ao Cemitério da Saudade. A igrejinha deu providências de atender o corpo de Camiló sem cobranças de passados e nem promessas de futuros. Saíram todos, gente por gente triste enfileirando, muito entretida nas ordens das melancolias respeitosas, para enterrarem o corpo, abonarem a alma e guardarem a saudade. Lágrimas passivas ouvindo a passarada entretida em seus atrevimentos. Na porta da venda do Mutalé Maneta, como ali pendia de visada direta ao cemitério, e trilha do trançador era rotina sabida, Camiló se agitou na rede deixando a flor cair na porta como mereciam as insinuações, para serem apaziguados os passos com a derradeira cachaça.

Minhoco deu muita razão ao cadáver em respeito às mesuras da flor pendida que mereciam ajustados sentimentos ao passarem gentes tantas em reverências funerárias por ali e cabia mais do que merecido aquele trago de despedida na venda que assistira o trucador por inesquecíveis. Conversas trançadas, tramoias ditas, afetos foram colhidos nas lágrimas do Mutalé antes dos definitivos. O povo assumiu resguardo, instigou Camiló saudar as dependências do Mutalé Maneta em memória ao passado e em abono a partida. Hora chegou correta com o cortejo ao portão do cemitério, povo machucado de tristeza adentrando ruelas de corredores estreitos, sinuosos, confusos entre os túmulos velhos saudando vizinho novo. Uma vala, sem muitas querências de vaidades, aberta esperando a encomenda, para finar em seguida nos atijolados de adobes pobres por merecimentos se ajustara e cruz postada na cabeceira.

Cadinho, filho do falecido, plantou a cruz de cedro na virada para o por do sol e na sôfrega da despedida da vida, intuito de Camiló poder acompanhar o passeio do astro durante o dia todo, como sempre fizera nas beiradas das ruelas, cantochando mesmices enquanto tramava couros, adivinhava sortes e enaltecia com os mesmos dedos as tristezas alegres de sempre nas assistências aos sofridos, às moças das vidas, aos peões das fraturas, às crianças dos sonhos. Era a imensidão de Camiló e seus conflitos.

O cedro poderia brotar em árvore de respeito e porte, como é das temperanças dos cedros e contar muitos anos depois as proezas dos dedos do Camiló Prouco, o homem mais habilidoso de Oitão e outros sertões por onde as suas venturas se desacomodavam nas invejas e nas carências das tramas, prosas, prendas e solidões das felicidades sofridas.

Cada um se deu por jogar um restolho de mão cheia de desesperança para a terra dizer adeus e o amém recolher o fim.

* o autor é economista, blogueiro, escrevinhador, e diretor-executivo da AMA - Associação dos Misturadores de Adubos.

Publicado originalmente em: http://carloseduardoflorence.blogspot.com.br/

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.