domingo, 13 de outubro de 2013

Descréditos de carbono (e o gás de folhelhos)

Richard Jakubaszko
A declaração de amor ao CO2 é
do blogueiro.
Coloco em debate, a relevante questão do gás de xisto, mostrando a visão de dois especialistas respeitados, Evaristo de Miranda, da Embrapa, e Geraldo Lino, geólogo e escritor, cético das apocalípticas e falaciosas questões ambientais, como o aquecimento e mudanças climáticas.
Um autor prenuncia mudanças, e o outro coloca em dúvida a possibilidade dessa mudança radical para dentro em breve, e ambos estão baseados em fatos e notícias.

Como vemos, há uma guerra permanente na economia. Nas guerras, a primeira vítima sempre foi a verdade. E isto deveria ser um axioma para todo jornalista que se preze.
Após a leitura dos dois artigos, que reproduzo abaixo, é vital uma profunda reflexão sobre o tema, além de continuar a acompanhar o assunto, pois não há dúvidas de que teremos desdobramentos profundos daqui para a frente na questão da energia.

Descréditos de carbono
Evaristo Eduardo de Miranda *
O planeta buscava um substituto para o petróleo. Parece ter encontrado: o gás de xisto e o carvão mineral. O crescimento da produção norte-americana do gás de xisto mudou o panorama da geração de energia. Esse gás substitui a cada dia mais carvão, cujo excedente é exportado para a Europa a baixo preço. Isso derrubou o preço do carvão em todo o mundo, principalmente na Ásia. O mundo prepara-se para trocar um combustível fóssil por outro, mais abundante e barato.

As termoelétricas europeias a carvão mineral aumentam seus lucros. Sobra carvão e, com preços tão baixos, empresas como a norueguesa Statkraft, a alemã E·ON, a checa CEZ e a britânica SSE fecham e hibernam centrais a gás, incluindo plantas moderníssimas. Os lucros caíram mais de 90% no primeiro semestre de 2013 em usinas com ciclo combinado de gás. A RWE, a maior geradora da Alemanha, obtém 62% de sua produção do carvão mineral e incrementou a produção em 16% em 2012.

A Xstrata, a maior empresa exportadora de carvão mineral, baixou em 17,3% seus contratos para a geradora japonesa Tohoku. Depois de Fukushima, o Japão substitui a energia elétrica atômica pelo carvão. O adicional de emissões de dióxido de carbono (CO2), tanto no Japão como na Alemanha, pelo fechamento das usinas atômicas, é enorme.

O uso do carvão aumentou as emissões de CO2 na União Europeia (UE), tão engajada no discurso ambiental. Os países europeus não cumpriram as metas de redução de CO2 previstas no Protocolo de Kyoto, apesar da crise econômica e da substituição de sua produção industrial pela China. A importação de carvão estadunidense pela Europa cresceu 23% e atingiu 66,4 milhões de toneladas em 2012. Nos 27 países da UE, a geração de energia a partir de carvão ultrapassou o gás e atingiu seu nível máximo dos últimos 17 anos.

O chamado mercado de carbono, essencialmente europeu, veio abaixo. Sobram cotas de carbono e ninguém se interessa. Em abril o Parlamento Europeu votou uma sentença de morte para o mercado de carbono: rejeitou limitar as autorizações de emissões de CO2 propostas pela Comissão Europeia. Uma tonelada de CO2 valia 30 em 2008. Caiu para 2,75, seu nível histórico mais baixo. Para completar, a European Union Emissions Trading Scheme envolveu-se em escândalos, como roubo de licenças de emissão de CO2 e fraudes fiscais. O descrédito do mercado de carbono freou investimentos em alternativas de geração de energia. A UE aliviou as exigências ambientais para a indústria, em face da crise econômica. Ocorre uma renacionalização da política climática e o abandono da política de bloco.

No futuro os EUA exportarão gás em volume capaz de mudar o panorama mundial. A reserva americana é suficiente para abastecer o mercado por mais de cem anos, segundo cálculos da Administração de Informação de Energia. O avanço tecnológico na extração do gás de xisto prossegue e deve reduzir diversos problemas ambientais, como a contaminação hídrica e as emissões de metano.

As 48 reservas de gás de xisto encontram-se em 28 Estados americanos e 26 estão em exploração. Na Pensilvânia, em Nova York, Ohio e Virgínia Ocidental há 6 mil poços em operação, só na formação geológica de Marcellus. O gás de xisto, menos poluente, deslocará o carvão na geração de energia elétrica nos EUA, onde metade da eletricidade ainda é gerada em térmicas a carvão.

O gás de xisto já substitui o diesel em ônibus e caminhões. São poucos postos com o combustível nos EUA, mas a rede de gasodutos tem 38 mil quilômetros. O gás será um combustível cada vez mais competitivo e, ao levar ao túmulo o mercado de carbono, talvez carregue junto o sonho do etanol como commodity internacional, destinando-o a ser, basicamente, um produto de consumo interno nos países produtores. Se tanto.

Como essa nova realidade interfere na política brasileira de produção de biocombustíveis? E no mercado internacional de etanol? Uma equipe da Embrapa Gestão Territorial estuda seus impactos na agroenergia, mas o alcance da mudança pode ser muito maior. Por causa da produção crescente de gás de xisto nos EUA e de seu baixo preço, companhias brasileiras já suspenderam projetos de construção de hidrelétricas na América Central. Em outras situações, a energia hidrelétrica poderá perder competitividade com a termoelétrica.

O gás de xisto pode afetar o futuro do pré-sal. Já é real a fuga de investimentos produtivos no setor petroquímico do Brasil para os EUA, onde o preço da matéria-prima é menor. Apesar de a Agência Nacional do Petróleo ter marcado o primeiro leilão de blocos de gás de xisto para o fim de outubro, ainda falta o País conhecer e dominar a tecnologia envolvida nessa exploração.

Muitos no agronegócio brasileiro discutem combustíveis renováveis, redução das emissões de CO2, pegadas de carbono, agricultura de baixo carbono e propõem programas ambientais em cenários ultrapassados. A era da energia fóssil está longe de acabar. Esses cenários viraram carvão. O Brasil está destinado a compensar e fixar o carbono emitido pela China e países desenvolvidos? Deve renunciar ao pré-sal e à exploração de suas reservas de gás de xisto? Os carbonários do carbono ignoram os impactos desse gás e das novas tecnologias e mudanças associadas a ele.

A surpreendente emergência do gás de xisto ilustra o quanto é fundamental a inovação tecnológica e desafia o planejamento nacional. Ao ser alertado sobre o possível esgotamento das reservas de petróleo pela intensidade de sua exploração, uma autoridade saudita declarou: "A prioridade é vender as reservas antes da emergência de novas tecnologias". A Idade da Pedra não acabou por falta de pedra.

* engenheiro agrônomo, doutor em Ecologia, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), e membro do Conselho Editorial da revista Agro DBO.


Artigo originalmente publicado na Agro DBO / nº 49 / outubro 2013: www.agrodbo.com.br


Gigantes petroleiras desistem do gás de folhelhos nos EUA
Geraldo Lino *
Em iniciativas que devem servir para arrefecer o entusiasmo com as perspectivas do setor, as empresas petrolíferas Royal Dutch Shell e BP estão encerrando as suas atividades de exploração do gás de folhelhos (shale gas) nos EUA. Os motivos são reservas superestimadas e um rápido esgotamento de muitos poços, devido a problemas da tecnologia de exploração – para não mencionar os graves problemas ambientais (Alerta Científico e Ambiental, 18/07/2013 e 25/07/2013). As consequências foram prejuízos superiores a 3 bilhões de dólares, apenas para as duas gigantes.

Em entrevista ao jornal Financial Times, o executivo-chefe da Shell, Peter Voser, afirmou que a aposta maciça da empresa nos folhelhos estadunidenses será um dos maiores arrependimentos do seu mandato, que se encerra ao final do ano. Segundo ele, a Shell investiu mais de 24 bilhões de dólares no chamado gás não-convencional na América do Norte, empreitada que, em suas palavras, “não saiu exatamente como planejado”. Em agosto, depois de perfurar quase 200 poços cuja produção não atingiu os níveis esperados, a empresa anunciou uma depreciação de 2,1 bilhões de dólares nos seus ativos de folhelhos. Com isto, a intenção é livrar-se deles o mais rapidamente possível (Financial Times, 6/10/2013).

Por sua vez, a BP e a BP Group anunciaram prejuízos conjuntos de 2,3 bilhões de dólares, enquanto a canadense EcCana Company perdeu 2 bilhões de dólares (The Voice of Russia, 2/10/2013).

O analista-chefe da consultora UNIVER Capital Company, Dmitry Alexandrov, é categórico:

O surto de interesse no gás de folhelhos está claramente encerrado. Devido aos problemas do orçamento nos EUA, as companhias de produção de gás de folhelhos não devem esperar conseguir mais financiamento. Portanto, os depósitos de gás de folhelhos não são mais financeiramente atrativos. E, finalmente, os sítios que tinham custos favoráveis têm sido esgotados. Então, para levar adiante a produção de gás, ou eles têm que recorrer a um monte de perfurações adicionais ou questionar a produção de gás existente.

Se a implementação do orçamento for suave, muito provavelmente, a produção de gás começará a crescer novamente, mas não tão rapidamente que garanta exportações de gás, apenas para abastecer o mercado interno. Eu estou confiante de que os EUA não irão procurar reduzir os preços mundiais do gás nos próximos anos, devido à política estadunidense de reindustrialização. Não há como vender o seu próprio gás de folhelhos barato, seja para a Europa ou a Ásia.

Segundo Alexandrov, a maioria dos especialistas acredita que, na melhor das hipóteses, a produção de gás de folhelhos manterá os níveis do pico atingido em 2011.

Outro especialista, o diretor-geral da Fundação Nacional de Segurança Energética russa, Konstantin Simonov, adverte que países que têm apostado nos folhelhos, como a Polônia e a Ucrânia, deveriam prestar atenção à experiência estadunidense:

A Polônia perfurou um poço de gás de folhelhos no ano passado e o batizou como “Chama de esperança”. Mas a situação do projeto está piorando, em termos comerciais. O projeto não é econômico e as empresas estrangeiras, como a ExxonMobil, já começaram a se retirar dele. A situação é bastante parecida na Ucrânia, que pode, certamente, esperar alguns progressos técnicos, mas o seu projeto de gás de folhelhos, dificilmente, será um sucesso comercial, pelo menos não nos próximos dez anos.

A Ucrânia pretende iniciar a produção de gás de folhelhos em 2015, mas o Ministério de Energia e da Indústria de Carvão do país já anunciou que os custos de produção não serão conhecidos antes de dois anos, o que coloca ainda mais dúvidas sobre as perspectivas de que a produção não-convencional possa vir a contribuir significativamente para a redução da grande dependência das importações de gás da Rússia (expectativa compartilhada pela Polônia).

Curiosamente, o governo ucraniano acaba de anunciar um acordo para a exploração de gás natural convencional na costa do Mar Negro, com um consórcio internacional encabeçado pela Shell e a ExxonMobil (AFP, 26/09/2013).

No início de 2012, outra gigante petrolífera, a Chevron, já havia abandonado a exploração dos folhelhos nos EUA, por motivos semelhantes aos agora alegados pelas suas “irmãs”.

Nesse contexto, é no mínimo curioso que, enquanto as gigantes anglo-americanas (cuja ausência quase total no leilão do campo de Libra do pré-sal brasileiro foi tão lamentada) se retiram do setor, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) já fale em licitar a exploração dos folhelhos brasileiros. Em face das circunstâncias, é no mínimo medida de prudência aguardar um pouco mais pelo amadurecimento e a consolidação – ou não – da exploração dos hidrocarbonetos de folhelhos, para se decidir a liberá-la no País.

.

Um comentário:

  1. José Carlos Arruda14 de outubro de 2013 21:59

    Assustadores e ao mesmo tempo interessantíssimos os 2 artigos. Realmente temos guerra de informação e contra-informação na economia.
    José Carlos Arruda, de BH

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.