sexta-feira, 3 de março de 2017

Fraldas, fraude e milhões para Alberto Youssef

Fernando Brito *

A Folha publicou durante o Carnaval uma matéria onde compara as penas dadas pela Justiça aos delatores de Curitiba e as de pessoas humildes, que cometerem furtos que, a rigor, não deveriam ficar fora do princípio da insignificância, o que retira do Estado a pretensão de punir com pena condutas cujo prejuízo é insignificante.

O jornal compara os sete anos de meio de prisão dados a Alexandrino de Alencar, ex-diretor da Odebrecht Infraestrutura, e Keli Gomes da Silva, analfabeta e manicure. Keli furtou quatro pacotes de fralda de um supermercado na periferia de São Paulo. Ele, um dos altos executivos da empreiteira se tornou um delator premiado da Operação Lava Jato, por corrupção de milhões de reais.

Mas é ainda pior do que a comparação chocante esta forma de processo judicial que se tornou incriticável em nosso país.

Outra reportagem, do El País, registra o que é desconhecido da maioria das pessoas. Desconhecido não por acaso, porque é revelador do caráter torpe que este processo de barganha judicial se tornou.

O doleiro Alberto Youssef tem um contrato firmado por seus advogados com o MPF com uma cláusula de performance: ele poderá ficar 2% de todo o dinheiro que ajudar a recuperar, o que pode chegar a até 20 milhões de reais. Detalhe, Youssef é delator recorrente e já traiu seu primeiro acordo, feito no caso Banestado.

Paulo Roberto Costa vive num luxuoso condomínio. Fernando Baiano, numa latifundiária cobertura na Barra. Os delatores da Odebrecht que não foram demitidos com polpudas indenizações seguem na empresa com salários igualmente obesos.

Já a manicure Keli deve ter perdido, além da liberdade, sua clientela de unhas e cutículas: vai viver na miséria com a criança para a qual furtou as fraldas, depois de ter furtado por pobreza.

O advogado Walter Bittar, autor de um livro sobre delações, diz que “no final das contas ainda está compensando cometer os crimes e delatar”.

É terrível que, em nome da “moral” se leve a Justiça – ou aquilo que deveria ser Justiça – a agir com imoralidade.

* jornalista, editor do blog Tijolaço.

Publicado originalmente no Tijolaço: http://www.tijolaco.com.br/blog/fraldas-fraude-e-milhoes-para-alberto-youssef/

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.